Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2017
1º de Dezembro

restauraçao.jpg

 

Antes de sermos católicos, protestante ou de qualquer outra religião somos portugueses. O feriado do 1º. de Dezembro assinala a conquista da independência face aos espanhóis. D. João IV , uma das maiores fortunas do país, foi empurrado para o trono com a ameaça de ser criada uma republica de nobres.

É o feriado mais importante do nosso país teve pouco eco na imprensa. Sinal dos tempos que correm, o tempo do instantâneo, do fugas e do superficial: da alienação.

 

Com a crise da sucessão ao trono, devido à morte do rei D. Sebastião de Portugal, o país passou a ser governado por Filipe II de Espanha, que passaria a ser Filipe I de Portugal.

Depois dele seguiram-se como reis o seu filho Filipe II de Portugal (III de Espanha) e o seu neto Filipe III de Portugal (IV de Espanha).

A esta sucessão de reis que governaram sobre Portugal e Espanha, deu-se o nome de Dinastia Filipina.

Ao todo esta dinastia durou sessenta anos.

Esta monarquia dualista desde bem cedo reuniu a oposição de vários membros da nobreza portuguesa. A contestação começou por parte do Prior do Crato, também ele dentro da linha de sucessão ao trono, mas que não o chegou a ser devido a ser considerado um bastardo. E depois a contestação continuou em vários episódios isolados.

Restauração da Independência

Em 1637 ocorreu o tumulto do Manuelinho de Évora, um pronuncio do que viria a ocorrer três anos mais tarde, em 1640, com a instauração da casa de Bragança em 1 de Dezembro de 1640, dia da restauração da independência de Portugal.

Com a crise da sucessão ao trono, devido à morte do rei D. Sebastião de Portugal, o país passou a ser governado por Filipe II de Espanha, que passaria a ser Filipe I de Portugal (Autor: Imagem em domínio público)

Com a crise da sucessão ao trono, devido à morte do rei D. Sebastião de Portugal, o país passou a ser governado por Filipe II de Espanha, que passaria a ser Filipe I de Portugal (Autor: Imagem em domínio público)

A conspiração de 1640, contra o rei Filipe III de Portugal, foi planeada por um grupo de quarenta homens da nobreza que ficou conhecido como “os Conjurados”, dos quais se destacavam D. Antão de Almada, D. Miguel de Almeida e o Dr. João Pinto Ribeiro. Este grupo de homens acorreu ao Terreiro do Paço no sábado, 1 de Dezembro de 1940, e matou o secretário de Estado Miguel de Vasconcelos, além de aprisionarem a Duquesa de Mântua, prima de Filipe III e a quem este tinha confiado o governo de Portugal. Este momento foi o ideal para esta conspiração, pois o Reino de Espanha estava envolvido na Guerra dos Trinta Anos e estava mais preocupado em vencer a revolta da Catalunha do que propriamente com o território português.

Após a restauração da independência, a maior preocupação de D. João IV, o novo rei de Portugal, e dos seus apoiantes passou a ser a consolidação do poder alcançado. Em primeiro lugar, seria necessário que D. João IV fosse reconhecido a nível nacional e internacional como o legítimo rei de Portugal. A nível nacional, isso foi conseguido prontamente com o juramento perante as Cortes de Lisboa, em Janeiro de 1641. Depois, D. João IV enviou vários embaixadores às várias capitais europeias com o objetivo de obter o apoio dos outros monarcas. Esse esforço foi bem sucedido.

Mas, o maior problema que se colocava era de natureza militar pois seria de esperar que Espanha voltasse a atacar a soberania portuguesa. Se os espanhóis tivessem atacado de imediato, D. João IV não teria tido tempo para organizar os seus exércitos.

Mas, devido à Guerra dos Trinta Anos, enquanto esta não terminou, Espanha não tentou atacar Portugal pois tinha todos os seus meios envolvidos nessa guerra. Assim, D. João IV teve tempo de conseguir preparar os seus exércitos e arranjar os meios necessários para custear os esforços de guerra.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:14
link do post | comentar | favorito (1)
|

2 comentários:
De A rapariga do autocarro a 2 de Dezembro de 2017 às 19:05
Valeu-nos os Espanhóis andarem entretidos com as guerras deles, senão hoje éramos uma 2ª Catalunha


De pimentaeouro a 2 de Dezembro de 2017 às 19:47
Bingo.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Robespierre

É urgente o Amor

Corsários e Piratas Portu...

Amigo António

Conversa com uma amiga

Faleceu Madalena Iglésias

Faleceu Madalena Eglesias

Tenho fases, como a Lua

Cantigas de escárnio e ma...

Defender criminosos

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

do Natal - Uma bruxa dife...

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

links
últ. comentários
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
Obrigado.Desejo-lhe um bom Ano Novo.
Amigo João, Gostava tanto de transmitir-lhe um pou...
A esperança é a última coisa a perder!Há inovações...
Esta doença maldita, crónica, dói sempre não tem c...
Tudo tem uma razão de ser, logo há motivo(s) para ...
Obrigado.
Devemos sempre manter a força, mas custa encarar o...
Diz-se que não há fumo sem fogo. Não sabemos onde ...
Não conhecia a história, obrigada!
blogs SAPO
RSS