Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sábado, 20 de Outubro de 2012
O Século xx Português

 «Alguns dos maiores feitos da humanidade tiveram lugar no século XX, e alguns dos seus piores excessos também» - escreveu S/r Martin Gilbert na abertura da sua monumental e bem conhecida História do Século XX.

Portugal pode lamentar não estar incluído na lista dos primeiros; mas também pode orgulhar-se de não ter cometido nenhum dos segundos.

Não foi o melhor dos mundos; não foi o pior dos mundos. Foi um mundo possível, cheio de mudanças, acidentes, esperanças, contrariedades, saltos em frente e recuos.

É disso que este livro trata, fornecendo ao leitor uma síntese descritiva e analítica dos caminhos políticos, sociais, económicos e até culturais seguidos por Portugal entre 1900 e o presente. O resultado final é uma viagem guiada a mais de 100 anos de história portuguesa, desde a crise da monarquia constitucional até à primeira década do século XXI, revisitando as causas do 5 de Outubro de 1910, a Primeira República, a Ditadura Militar, o Estado Novo, o PREC, a Democracia e a integração na Europa.

 

 (O Século XX Português, José Miguel Sardica, Texto editora)

 

Sou um homem do século XX português o que é  muito diferente de ser um homem do seculo XX francês ou alemão.

Quando o século XXI (cronológico) começou tinha 66 anos e já estava reformado: a minha vida já tinha acontecido, faltava a recta final em que encontro.

Não podemos imaginar o que foram os horrores e a destruição de duas guerras mundiais. Os excessos cometidos pelas partes beligerantes foram praticamente iguais: a linha entre bons e maus

diluiu-se algumas vezes, nada igualou o holocausto mas a Alemanha foi bombardeada massivamente e duas bombas atómicas atingiram o Japão.  Na China aconteceu a tragédia da revolução cultural com milhões de mortos e repressão indiscriminada sobre a população: mal soubemos que aconteceu.

Com tantas e tão aceleradas mudanças, a vida social e cultural também tinha de mudar: em primeiro lugar, as mudanças na família. A incorporação maciça da mulher nas indústrias e nos serviços deram-lhe a independência que nunca tiveram e a revolução cultural no final dos anos 60 transformaram a mentalidade do século XX.

Woodstok, o movimento hippy, o maio de 68 em França subverterem comportamentos e valores sociais: com execpção da emencipação da mulher, o que parecia um movimento libertador também foi detruidor. A velha ordem patriarcal foi subsitituida pelo individualismo vasio, pela ausência de valores: “a máxima liberdade individual”, “fazer o que se entende”, não se reprimir”, “tudo já”, “sexo livre” ocasional, etc.

Os valores colectivos, a solidariedade, foram banidos: já estava tudo conquistado, era só usufruir. É o individualismo que destruiu valores caducos mas que nos destrói hoje: a era do caos. 

Ao século XX devemos muitas coisas, entre elas o Estado Providencia, a emancipação da mulher, os avanços da ciência e da medicina,  a difusão de regimes democráticos, o nível de vida sempre a aumentar e a ilusão de que esse bem estar nunca acabaria.

Tudo isto e outras coisas estão hoje em causa e não fazemos a mínima ideia do que será  o mundo ocidental (em decadência) dentro de quatro ou cinco anos. Qual o futuro dos nossos filhos, desempregados, e dos nossos netos?  Não sabemos, mas certamente não irá ser melhor.

O desmoronar deste mundo de supremacia do Ocidente começou nos anos 80 do século passado e alguns historiadores consideram que o século XX terminou naquela década, que assinala também a transformação de capital produtivo em capital especulativo, o inicio da globalização e o enfraquecimento dos Estados.

Salazar conseguiu isolar-nos do mundo, com extraordinária eficácia até final dos anos 60, quando uma classe média nascente viajou se demarcou do regime e contornou o isolamento.

Aí começamos a ter uma ideia do nosso atraso, que afinal é secular como um estigma, apesar do muito que mudamos, mas

quando comparo os dias de hoje com os dias da minha mocidade, tudo é diferente mas não é tudo melhor. Pela lógica da natureza já cá não devia estar, devo isso à medicina e às farmácias.

Vivi num mundo em que amar era quase pecado, ao namoro tinha de seguir-se o casamento e a mulher tinha de ir virgem. É-me difícil definir a mentalidade conservadora do regime de Salazar: uma paragem no tempo.

 



publicado por pimentaeouro às 23:15
link do post | comentar | favorito (1)
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Auto da barca

Bem tapadas

Shostakovich

Conta, peso e medida

Aves

Templo dourado

Nomada

Precisa-se urgentemente

Petrouchka

Tempo cínico

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Interessante, gosto muito de história,
Interessante, gostei de ler o seu post.
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
blogs SAPO
RSS