Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2017
A carta que não recebes-te

Sebastião,

A tua avó sofre há 9 anos de uma doença rara, incurável e sem tratamento especifico ( a industria farmacêutica só investe nos medicamentos de grande consumo) que lhe afecta os pequenos nervos das pernas.

Há mais de quatro anos que sofre de dor crónica, dói todos os dias, apenas nuns dias dói mais e noutros dói menos e tem a mobilidade muito limitada, apenas consegue andar cerca de 200 metros e tem que se sentar. Apesar deste sofrimento consegue ter boa disposição e conversando com ela ninguém percebe o seu sofrimento

Como é natural encontra-se muito fragilizada e muito magra.

Porque tem grande auto estima não está acamada; é uma heroína anónima. A minha vida anda toda em torno dela para tentar minorar o seu sofrimento mas não posso alhear-me deste drama nem tenho ninguém com que partilha-lo: assistir diariamente ao seu sofrimento é uma cruz que carrego.

Provavelmente ficarás chocado com este drama. Não resolvi dar-te conhecimento do que se passa de animo leve, exitei muito em faze-lo mas acho que deves ter consciência da situação da tua avó.

Se puderes devesenquando telefonar-lhe ou tomar um café com ela isso vazia-lhe bem e merece.


tags:

publicado por pimentaeouro às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Raríssimo ou talvez não.....

IRMÃO HOMEM

O piolho viajante

D. Manuel I

Eternidade #3

Cuidado com o Ana

As sete maravilhas

Por este rio acima

Albinoni

Beethoven

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Mãe, até amanhã

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

Vazio

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

links
últ. comentários
Valeu-nos os Espanhóis andarem entretidos com as g...
Já fiz o luto da minha primeira mulher. Agora rest...
... Agora é menos bonita. A velhice tem muitos inc...
O acaso é o grande fazedor de vidas, dramas, felic...
Viveu e Vive de forma tão bonita!*
Como pode um episódio tão doce ter um final tão dr...
Amigo João,Não sei encontrar palavras para si, por...
Interessante, gosto muito de história,
Interessante, gostei de ler o seu post.
blogs SAPO
RSS