Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017
Ali Babá e os 40 ladrões

Resultado de imagem para ali baba e os 40 ladrões

 

Ali Babá, um pobre lenhador árabe, esbarra com o tesouro de um grupo de quarenta ladrões, na floresta, de repente passa uma nuvem de poeira com precisamente 40 ladrões. O tesouro dos ladrões está numa caverna, que é aberta por magia. A gruta abre-se usando-se a expressão Abre-te, Sésamo e fecha-se com as palavras Fecha-te, Sésamo. Quando os ladrões saem, Ali Babá entra na caverna, e leva parte do tesouro para casa.

O irmão rico de Ali Babá, Qassem, questiona o seu irmão sobre a sua inesperada riqueza. Qassem vai até a gruta para tirar mais uma parte do tesouro, mas na sua ganância esquece as palavras mágicas para abrir a caverna e os ladrões acabam por encontrá-lo lá e matam-no. Como seu irmão não volta, Ali Babá vai à gruta com o fim de o procurar. Encontra o corpo e tira-o da gruta, mas não o leva para casa. Com a ajuda de Morjana, uma escrava da família de Qassem, antes de o enterrarem, Morjana foi a um sapateiro da cidade, vendou-lhe os olhos e mostrou-lhe o caminho até à casa de Ali Babá. Quando chegaram, ela pediu ao sapateiro que cosesse o corpo.

Os ladrões, quando não encontram o corpo, concluem que alguém sabe dos seus segredos e saem em busca de uma pista. Um dos ladrões oferece-se para buscar pistas e foi até à cidade onde viu o sapateiro coser sapatos, ele perguntou como conseguia ver com a sua idade para coser. O sapateiro disse que tinha bons olhos e até já coseu um corpo de um homem. O ladrão pediu para levar ao lugar onde tinha feito isso e assim o fez. Chegaram à casa de Ali Babá e o ladrão marcou com giz a porta e voltou para a floresta. Morjana, que ia a sair viu a marca de giz e estranhou, depois marcou também com giz mais algumas portas da mesma rua. O ladrão quando contou ao chefe o que fez, levou-o à casa que tinha marcado, mas viram que também estavam marcadas outras casas, o ladrão foi de imediato decapitado por ter falhado a sua missão. Outro ladrão também foi enviado com a mesma missão e graças outra vez ao sapateiro, mais uma vez a casa ficou marcada com giz, mas Morjana foi outra vez esperta, e também o segundo enviado acabou morto. Depois foi a vez do chefe, e como era mais esperto que os outros ladrões, em vez de marcar a casa com giz, fixou-a e estudou todos os seus pormenores para não se esquecer dela.

Então, o chefe dos ladrões finge ser um mercador de azeite que necessita da hospitalidade de Ali Babá. Traz consigo mulas carregadas com trinta e oito odres de azeite, sendo que apenas dois tinham azeite enquanto que os outros trinta e seis escondiam os outros ladrões. Os ladrões planejam matar Ali Babá enquanto ele dorme. No entanto, Morjana descobre-os novamente e os trinta e oito ladrões são mortos, nos jarros onde se escondiam, quando neles se verteu azeite fervente. Descobrindo que todos os seus homens já estão mortos, o chefe dos ladrões fugiu.

Para se vingar, o chefe dos ladrões estabelece-se como comerciante e finge-se de amigo do filho de Ali Babá (que agora está a cargo da empresa do falecido Qassem). Logo é convidado para jantar à casa de Ali Babá. O ladrão é reconhecido por Morjana, que demonstra uma dança com um punhal e termina por espetá-lo no coração do ladrão, num momento em que ele está desprevenido. A princípio, Ali Babá fica irritado com Morjana, mas quando descobre que o ladrão o queria matar, ele concede a liberdade a Morjana e ela casa-se com o filho de Ali Babá. Assim, a história termina feliz para todos, exceto para os quarenta ladrões e para Qassem.



publicado por pimentaeouro às 14:05
link do post | comentar | favorito (1)
|

3 comentários:
De A rapariga do autocarro a 4 de Outubro de 2017 às 14:09
Cá pelas nossas bandas são bem mais que 40


De pimentaeouro a 4 de Outubro de 2017 às 21:54
Cada dedo das mãos e dos pés é uma dezena .


De Malik a 4 de Outubro de 2017 às 14:20
Pertinente em altura de eleições...


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Mitologia grega

Escultura grega

Velho do Restelo

Gioconda

O sono da razão

Giacomo Casanova

Historia trágico-marítima

Mudam-se os tempos

ESQUECER PARA (SOBRE) VIV...

Avesso dos Lusíadas #3

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS