Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sexta-feira, 14 de Fevereiro de 2014
Alves Redol

Alves Redol: vida e obra

A vida e a personalidade de Alves Redol são extremamente complexas, não sendo fácil estabelecer a sua biografia. Artigo de António Mota Redol.

 

Tendo estado em Angola, para onde emigrou, entre os dezasseis e os dezanove anos, teve aqui uma experiência riquíssima. Depois de regressar à sua terra, Vila Franca de Xira, colaborou nas coletividades desportivas e culturais, fez conferências, escreveu nos jornais locais crónicas, comentários, crítica de teatro e textos de ficção, liderou o designado “Grupo Neo-Realista de Vila Franca”, foi um dos dois organizadores dos chamados “Passeios no Tejo”, nos anos 40, que tão grandes repercussões culturais e políticas tiveram. Praticou vários desportos, foi fundador de clubes desportivos e conselheiro técnico de futebol de um deles.

Começou a escrever mais seriamente para jornais e revistas, como “Notícias Ilustrado”,  “O Diabo” e “Sol Nascente”. Dedicou-se à etnografia do Ribatejo, percorrendo-o de lés a lés, escrevendo textos para diferentes publicações e recolhendo, durante anos, a poesia popular ribatejana.

Foi sempre um inovador em todos os domínios em que interveio: na literatura, onde foi um dos fundadores do Neo-Realismo, escrevendo o primeiro romance deste Movimento; ainda na literatura, inovou constantemente na estruturação dos seus romances; no teatro, interveio no Teatro-Estádio do Salitre e em coletividades na renovação desta forma de expressão em Portugal e, mais tarde, com textos de vanguarda; no cinema, fazendo o guião de um filme e os diálogos de outros dois, mas onde a tentativa não resultou, pois os filmes não saíram bem, mesmo descontando a severa ação da Censura; na literatura infantil, onde procurou conjugar esta com o intuito pedagógico. Com outros escritores, tentou organizar uma editora em que eles fossem os seus próprios editores. Também na condução de conferências e saraus de arte, houve sempre uma preocupação inovadora. Colaborou na rádio.

Durante muitos anos, foi um dos escritores de maior êxito e que mais vendeu em Portugal.

Do ponto de vista profissional, tendo o curso de comércio, dedicou-se à publicidade ainda em Luanda, depois, foi procurador dos municípios, vice-cônsul de um país da América Latina, editor dos seus próprios livros. Nos últimos anos de vida foi profissional de publicidade, tendo ganho prémios internacionais.

Foi sempre um entusiasta das organizações de escritores, como a Comissão dos Escritores, Artistas e Jornalistas do MUD (Movimento de Unidade Democrática, cuja existência o fascismo português permitiu de 1945 a 1948), o PEN Clube Português, a Sociedade Portuguesa de Escritores, de que foi um dos fundadores.

Ligado à tauromaquia, por ser uma das manifestações da sua terra, por nela encontrar fortes motivos de interesse literário e por razões familiares, investigou aprofundadamente o meio em Portugal e em Espanha.

Teve relações estreitas com escritores e artistas plásticos brasileiros, franceses e espanhóis, participando em vários congressos de escritores, onde interveio.

Tendo iniciado a publicação de livros com um ensaio etnográfico intitulado Glória, Uma Aldeia do Ribatejo, em 1938, recolheu, ainda neste domínio, abundante poesia popular oral inédita que publicou em Cancioneiro do Ribatejo e textos do romanceiro português que publicou em Romanceiro Geral do Povo Português, volume com várias centenas de páginas.

Publicou o primeiro romance neo-realista português, Gaibéus, em 1939, seguindo-se Marés, em 1941, Avieiros, em 1942, Fanga, em 1943, todos de ambiente ribatejano, mas de ambições universais, Anúncio (novela de ambiente lisboeta), em 1945. Em 1946, inicia o conjunto de romances centrados na região do vinho do Porto, o Douro, com Porto Manso, seguindo-se Horizonte Cerrado, em 1949, que ganhou o Prémio Ricardo Malheiros da Classe de Letras da Academia das Ciências de Lisboa, Os Homens e as Sombras, em 1951 e Vindima de Sangue, em 1953, progredindo constantemente na oficina de escrita. Em 1954, com Olhos de Água, inicia uma fase de maior apuramento formal e, em 1958, depois de um período em que tinha desistido de escrever, faz sair A Barca dos Sete Lemes, um romance que muitos ainda hoje consideram o seu melhor romance e, certamente, o mais atual e universal. Seguiram-se Uma Fenda na Muralha, cujo ambiente é o de um porto pesqueiro e que relata uma violenta tempestade que ele próprio sofreu no mar a bordo de um pequeno barco de pesca, O Cavalo Espantado, de 1960, que conta a saga dos refugiados judeus em Lisboa durante a 2ª guerra mundial, Barranco de Cegos, de 1961, que muitos críticos consideram o seu melhor romance e um dos melhores do século XX em Portugal, O Muro Branco, de 1966.

Em 1972, foi publicado Os Reinegros, que conta a história de uma família operária em Lisboa durante o conturbado período da 1ª República, romance concluído em 1944/45, mas não publicado durante muitos anos, devido à proibição da Censura. A propósito, interessa recordar que os livros de Redol foram sujeitos a censura prévia desde 1944 até 1958.

Publicou livros de contos, a novela para a adolescência Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos, de 1960 e o livro, em doze fascículos, A França, da Resistência à Renascença, de 1948; de literatura infantil, A Vida Mágica da Sementinha .Escreveu na fase final da sua vida (morreu em 1969) A Flor Vai Ver o Mar, A Flor Vai Pescar Num Bote, Uma Flor Chamada Maria Maria, Maria Flor Abre o Livro das Surpresas, para leitores infantis entre os 6 e os 12 anos.

Publicou quatro peças de teatro: Maria Emília, Forja, O Destino Morreu de Repente e Fronteira Fechada, mas escreveu na íntegra ou apenas iniciou vinte. Durante a sua vida, apenas grupos de amadores foram autorizados pela Censura a representar a primeira e a segunda, e, esta, somente em Moçambique.

 

Do blogue Instituto Camões



publicado por pimentaeouro às 00:49
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De O ultimo fecha a porta a 22 de Setembro de 2017 às 14:24
Acabei de ler e publicar sobre "uma fenda na muralha" e é um livro muito bem escrito sobre os perigos da profissão de pescador e do sofrimento das gentes de Nazaré sempre que há gaivotas em terra.


De pimentaeouro a 22 de Setembro de 2017 às 19:13
Quando era jovem assisti a cenas dramáticas na Nazaré.


De O ultimo fecha a porta a 25 de Setembro de 2017 às 23:07
este livro é uma homenagem a essas situações.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Revolução de Outubro

lemures

Ontem aqui tão perto

Uma ideia péssima

Infância

Deus ?

O país está depressivo

Agnus Dei

Tieta do Agreste

Painéis de S. Vicente de ...

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Tempo

Vidas

Idades

Carrossel

Águas-furtadas

Farol

Cada passo

Só verão

Rouxinol

Tormenta

links
últ. comentários
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
Estranho o ódio e as guerras entre povos que defen...
Nunca tomei nenhum, mas se precisasse e se me pude...
Caro João,Fiz um link para o seu blog convidando-o...
Cada dedo das mãos e dos pés é uma dezena .
As crónicas não dizem muito sobre o lado escuro de...
Pertinente em altura de eleições...
Vou ficar atenta!
Cá pelas nossas bandas são bem mais que 40
Vou editar a biografia de todos os reis de Portuga...
blogs SAPO
RSS