Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017
Amor1

FALEMOS DE AMOR

 

Amar uma coisa significa querer que ela viva.

CONFÚCIO

 

O texto que segue é seco árido, não tem romantismo nem poesia. Porque insisto em editá-lo? Porque o amor – ou a sua falta – tem uma importância decisiva nas nossas vidas, proporcionando-nos bem-estar, felicidade, ou, pelo contrário, sofrimento e dor.

As relações entre dois seres apaixonados são das mais complexas que existem. Quase todas as emoções que sentimos entram num jogo contraditório de atracção e repulsa, num turbilhão de contradições.

O amor tem diversos inimigos e o ciúme é dos mais poderosos, capaz de destruir relações muito fortes.

Será possível dissecar o amor em laboratório? Se isso um dia vier a acontecer, em lugar de uma vitória da ciência, teríamos uma derrota do ser humano, da sua imaginação, da sua aspiração à felicidade: romancistas e poetas seriam remetidos para o pó da História.

Como não existem escolas para ensinar a amar (o autor afirma que não existe uma ciência do amor), temos de aprender a amar empiricamente, com a vida.

Falar de amor implica falar de relações sexuais – um dos principais pilares da relação amorosa. O texto mostra-nos como a compreensão do sexo tem sido complicada e rodeada de tabus através dos séculos, até chegarmos à liberdade sexual que hoje existe nos países ocidentais.

Do tabu absoluto sobre o sexo passamos para a liberdade sexual… sem escola. A Educação Sexual que pretendemos ensinar nas escolas é pouco mais que uma boa intenção.

Durante vários anos pratiquei relações sexuais «mecânicas» (a minha mulher também não sabia) e foi já adulto feito que aprendi a fazer sexo (há época, sexo era coisa de libertinos e de mulheres debochadas).

Teoricamente, os jovens de hoje sabem mais do que eu sabia, teoricamente…

 

 

Desde que a sociedade burguesa foi criada existe o mito do homem másculo e viril e da mulher dócil e submissa (domesticada, no fundo).

Durante, praticamente todo o regime de Salazar as relações homem e mulher estavam subordinadas à moral católica (prolongamento do regime) e à família de tipo patriarcal. O texto refere com detalhe os preconceitos sociais que reprimiam eros.

O namoro era a antecâmara para o casamento e os pais, machos, ditavam as regras. Sofri por duas vezes os golpes desta tirania social.

O primeiro golpe que sofri foi no namoro com a Fernanda (UM FANTASMA) e o segundo mais profundo, em especial para a Julieta (PATER FAMÍLIAS). Jovens que viam as suas vidas destroçadas, às vez com consequências trágicas, contaram-se aos milhares e a literatura dos séculos XIX e XX e os filmes do princípio do século XX tiveram bastante matéria-prima com o tema.

Os jovens de hoje tem um conceito de namoro que não quem qualquer correspondência com o mesmo conceito até ao final do regime salazarista. Nem sonham a liberdade de que dispõem.

O amor continua a ser o principal caminho para felicidade mas tem inúmeros atalhos para o sofrimento.

Tema de muitos séculos, o meu sincero desejo é que continue a sê-lo no futuro com romantismo e muita poesia.

 

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 12:01
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

José Afonso

Robots

Nefertiti

Envelhecer

Nau catrineta #2

Amigo dos animais

Solidariedade

Rainha do Sul

Calamidade

As mil e uma noites

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Fogueira

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Fizeram uma série baseada no livro e uma das minha...
Como é a vez das novas gerações?Enquanto estivermo...
O problema é outro, o António tem a mobilidade red...
Estando ele a sentir-se mal, podem ter tido de ir ...
A mulher podia abrir a porta.
Que pena. Talvez ele não tenha vindo por se ter se...
Acho que sim.
Não sabia que existia uma praia assim na Europa
mas se apenas uma pessoa souber, será ainda assim ...
:) ainda bem que não trocam :)
blogs SAPO
RSS