Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Segunda-feira, 3 de Outubro de 2016
Aquilino Ribeiro

Resultado de imagem para aquilino ribeiro

Escritor (romancista, novelista, contista, etc.), conspirador anti-monárquico, propagandista republicano e resistente democrata.

Depois de ter frequentado o colégio jesuíta da Senhora da Lapa, em Soutosa, e os seminários de Lamego, Viseu e Beja, abandonou (1906) os estudos teológicos e fixou-se em Lisboa. Na capital, a par dos estudos e de pequenos trabalhos de tradução e jornalismo, dedicou-se a actividades de conspiração contra a Monarquia e de promoção dos ideais da República. Foi preso (1907) na sequência de um acidente com explosivos que, no seu quarto, vitimou dois carbonários, mas conseguiu evadir-se e partir para Paris (1908), onde se veio a diplomar na Universidade da Sorbonne.

Com a eclosão da 1ª Grande Guerra (1914), regressou a Portugal. Leccionou então no Liceu Camões (Lisboa) e juntou-se ao grupo que constituiu a Seara Nova, integrando a sua primeira direcção. Trabalhou também na Biblioteca Nacional (1919-27) mas, intransigente defensor da justiça e da liberdade, envolveu-se em conspirações contra o regime de ditadura do Estado Novo, sofreu perseguições (1927-28) e a prisão e foi forçado a novo exílio em Paris (1927-28).

Escritor ímpar, quer no modo de trabalhar a linguagem, com recurso a um vocabulário exuberante, original e pitoresco, quer no rigor extremo da expressão, foi autor de uma das mais importantes obras literárias portuguesas do século XX, abrangendo ficção, crítica, biografia, evocação histórica, ensaio, teatro, etnografia, polémica, tradução e contos para crianças. Recordam-se aqui : A Via Sinuosa (1918); Terras do Demo (1919);O Malhadinhas (1920); Filhas da Babilónia (1920); Estrada de Santiago(1922); Romance da Raposa (1924); Andam Faunos pelo Bosque (1926);Batalha Sem Fim (1931); As Três Mulheres de Sansão (1932); Maria Benigna (1933); S. Banaboião, Anacoreta e Mártir (1937); Volfrâmio (1944);Constantino de Bragança (1947); O Homem da Nave (1951); Abóboras no Telhado (1955; A Casa Grande de Romarigães (1957); Quando os Lobos Uivam (1959), que lhe valeu um processo censório, etc.

Foi membro efectivo (a partir de 1958) da Academia das Ciências.

Foi iniciado mação (1907) na Loja Montanha (Lisboa, Grande Oriente Lusitano Unido).



publicado por pimentaeouro às 22:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Raríssimo ou talvez não.....

IRMÃO HOMEM

O piolho viajante

D. Manuel I

Eternidade #3

Cuidado com a Ana

As sete maravilhas

Por este rio acima

Albinoni

Beethoven

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

Vazio

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

links
últ. comentários
Valeu-nos os Espanhóis andarem entretidos com as g...
Já fiz o luto da minha primeira mulher. Agora rest...
... Agora é menos bonita. A velhice tem muitos inc...
O acaso é o grande fazedor de vidas, dramas, felic...
Viveu e Vive de forma tão bonita!*
Como pode um episódio tão doce ter um final tão dr...
Amigo João,Não sei encontrar palavras para si, por...
Interessante, gosto muito de história,
Interessante, gostei de ler o seu post.
blogs SAPO
RSS