Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Terça-feira, 12 de Julho de 2016
Às armas, às armas!

A selecção de futebol aterrou na Portela e rumou para Belém onde foi recebida pelo Presidente da Republica. Notícia  o jornal Público e faz da notícia nota de redacção que Marcelo chamou a selecção “Nação Valente”.

Admito que o povo está com febre mas Marcelo manifesta evidentes sintomas de incontinência verbal. A “Nação Valente” que referiu não passa de verborreia, de uma bravata inconsequente.

Quando em 1.890 a monarquia pariu o mapa cor de rosa que pretendia ligar Angola a Moçambique – na ausência completa de meios para concretizar aquele absurdo – a Inglaterra fez um Ultimato ao governo de Lisboa para engolir o sapo.

Os republicanos espremeram aquela galinha de ovos de ouro e até fizeram um hino que, anos mais tarde a Primeira Republica maquilhou e ficou como o Hino Nacional até hoje.

O disparate do Hino Nacional está à altura do mapa cor de rosa: contra os canhões marchar, marchar. Contra os canhões de que país?

Segue essa prosa lunática que dá pelo nome de Hino Nacional:

 

Letra de “A Portuguesa”

Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!

Entre as brumas da memória,
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!



publicado por pimentaeouro às 23:12
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Desejo de uma vida

Combater a solidão

D. Afonso VI

Alberto Caeiro

Robespierre

É urgente o Amor

Corsários e Piratas Portu...

Amigo António

Conversa com uma amiga

Faleceu Madalena Eglesias

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

do Natal - Uma bruxa dife...

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

links
últ. comentários
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
Obrigado.Desejo-lhe um bom Ano Novo.
Amigo João, Gostava tanto de transmitir-lhe um pou...
A esperança é a última coisa a perder!Há inovações...
Esta doença maldita, crónica, dói sempre não tem c...
Tudo tem uma razão de ser, logo há motivo(s) para ...
Obrigado.
Devemos sempre manter a força, mas custa encarar o...
Diz-se que não há fumo sem fogo. Não sabemos onde ...
Não conhecia a história, obrigada!
blogs SAPO
RSS