Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sexta-feira, 11 de Março de 2016
Cem anos

Resultado de imagem para primeira guerra mundial

 

Fez no passado dia 9 cem anos que começou a I Guerra Mundial, a primeira matança industrial da Humanidade.  Afonso Costa e a ala radical do Partido Democrático quiseram que Portugal entrasse na guerra por factores internos e externos.

No plano interno Afonso Costa queria tentar a união politica com os outros partidos que torna-se o país governável; uma união sagrada e patriótica. No plano externo pretendia defender as colónias de África cobiçadas pela nossa «aliada» Inglaterra e pela Alemanha. Estes dois países entre 1898 e 1912 realizaram reuniões secretas para partilharem entre si, colonizarem, Angola e Moçambique. Como na guerra estavam em campos opostos aqueles planos abortaram.

Os preparativos para a guerra foram a criação em Tancos, à pressa, do CEP, Corpo Expedicionário Português. Em Fevereiro de 1917 Portugal entra na guerra, supostamente como aliado da Inglaterra, na verdade como uma colónia sua: os nossos soldados eram transportados para França em navios ingleses, desarmados porque não tínhamos armamento, as armas e o treino militar foram-nos fornecidas pela Inglaterra, os nossos soldados estavam hierarquicamente subordinados aos oficiais ingleses: uma humilhação completa.

Paralelamente, tivemos que enviar soldados para defender Angola e Moçambique. Num país arruinado, com uma gravíssima crise económica, social e política, populações esfomeadas desfilavam nas ruas com bandeiras negras e assaltavam os armazéns e lojas para obterem comida, participar em duas guerras simultaneamente a milhares de quilómetros era pura patologia ideológica que roçava a loucura colectiva dos dirigentes políticos.

Para a maior parte dos soldados que iam «defender a pátria», Portugal era a casinha de adobo ou tijolo, o porco e dois palmos de terra para semear.

Um desastre e uma chacina anunciados, que disfarçamos com o monumento ao soldado desconhecido. Em Portugal, depois da guerra tudo ficou pior, mais fome, mais miséria, mais bombas de protesto.

 



publicado por pimentaeouro às 21:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Nefertiti

Envelhecer

Nau catrineta #2

Amigo dos animais

Solidariedade

Rainha do Sul

Calamidade

As mil e uma noites

Nunca saberei

Não se troca

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
O problema é outro, o António tem a mobilidade red...
Estando ele a sentir-se mal, podem ter tido de ir ...
A mulher podia abrir a porta.
Que pena. Talvez ele não tenha vindo por se ter se...
Acho que sim.
Não sabia que existia uma praia assim na Europa
mas se apenas uma pessoa souber, será ainda assim ...
:) ainda bem que não trocam :)
uma enciclopédia.
blogs SAPO
RSS