Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Terça-feira, 9 de Maio de 2017
CIVILIZAÇÃO E TREPADEIRAS


Conheci a Glória há dias no festival literário de Macau (Rota das Letras). Emigrou do México para a zona de Cantão onde trabalha como gestora e, volta e meia, visita Macau e Hong Kong para renovar a sua vida cultural.

Encontrar uma mexicana na China é um choque térmico, O fervor da latina é a negação da frieza polida da chinesa. Do recorte do corpo até aos gestos, passando pela simpatia, a mexicana está para a chinesa como o caos do jazz está para a geometria de Bach. Corno tinha visto o filme “Sicário” no avião, a nossa conversa não saiu da anarquia que é o quotidiano mexicano.

“Sicário” é duríssimo, retrata um país sem lei, um país onde as verdadeiras fronteiras administrativas são as fronteiras entre os diferentes cartéis, um país onde corpos decepados aparecem nas ruas com toda a naturalidade como se fossem meros pombos decepados pela roda do carro, O horror é o normal; o estado da natureza é um penedo que esmaga as sementes do Estado de direito.

Perguntei-lhe se o filme era um retrato preciso ou uma caricatura ianque. “E mesmo assim”, disparou. “Amanhã não sei se a minha mãe me vai ligar a dizer que a minha irmã foi roubada, raptada, violada”. Percebi de imediato porque é que ela vivia na China: apesar das tais diferenças “Sicário” alarga o estado da natureza até à América profunda, sombria, sulista, e dá a entender que já não existe Estado de direito nesta América que vota Trump em desespero.

No fundo, “Sicário” é a nemesis de “O Homem que Matou Liberty Vãlance”, o western terminal de John Ford que retrata o momento em que a ordem do advogado substituiu no oeste a anarquia do cowboy. “Sicário” reverte o processo, vira a roda da história, lança a ideia de que velha anarquia do cowboy está de volta e que a justiça só pode ser feita pela guerra, não pela lei. Exagerado? Talvez não.

Esta América aparece em livros autobiográficos como “Hilibilly Elegy”, séries como “True Detective” ou noutros filmes como “Heli or High Water”, É a América que sempre nos assustou, mas também é a América que nos deu o western e escritores corno O’Connor ou McCarthy. E a América que nos assusta, mas também é a América que tem o hábito de nos salvar (quem é que acham que morreu na Normandia?).

Neste momento, confesso, o lado negro desta América é mais forte do que o lado heróico ou literário. Aquele apego pelas trevas do estado da natureza, bem visível hoje em dia, recorda-nos que a civilização é a mansão que pode ser consumida pela trepadeira. 

Curiosamente, as civilizações deixam de resistir à trepadeira quando as pessoas começam a pensar que a civilização é natural, tão natural como a trepadeira; o caos surge quando as pessoas começam a pensar que a ausência de doenças é natural e não uma acção médica e humana, quando começam a pensar que a paz é natural e não o fruto de uma força militar e de uma força legal que é precisar usar sem contemplações perante os inimigos externos e internos. Como me dizia a Glória, “vocês no Ocidente não sabem a sorte que têm e é por isso que estão a fazer merda”. Ouvir isto na boca de uma mexicana na China soa a presságio.

 

Henrique Raposo, semanário Expresso de ontem.

 

 



publicado por pimentaeouro às 22:08
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

José Afonso

Robots

Nefertiti

Envelhecer

Nau catrineta #2

Amigo dos animais

Solidariedade

Rainha do Sul

Calamidade

As mil e uma noites

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Fogueira

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Fizeram uma série baseada no livro e uma das minha...
Como é a vez das novas gerações?Enquanto estivermo...
O problema é outro, o António tem a mobilidade red...
Estando ele a sentir-se mal, podem ter tido de ir ...
A mulher podia abrir a porta.
Que pena. Talvez ele não tenha vindo por se ter se...
Acho que sim.
Não sabia que existia uma praia assim na Europa
mas se apenas uma pessoa souber, será ainda assim ...
:) ainda bem que não trocam :)
blogs SAPO
RSS