Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sábado, 11 de Novembro de 2017
D. Afonso IV

d. afonso iv.jpeg

 

 

Foi rei da Primeira Dinastia e o setimo Rei de Portugal, era filho de Dom Dinis, rei de Portugal e de Isabel de Aragão, rainha de Portugal, nasceu em Lisboa a 08 de Fevereiro de 1290 e morreu em Lisboa a 08 de Maio de 1357. Está sepultado em Lisboa, Igreja da Sé. E casou com Dona Beatriz com quem teve como descendentes legítimos:

Maria, Afonso, Dinis, Pedro, Isabel, João, Leonor.

Começou a governar em 1325 e terminou em 1357. Dom Afonso IV era o oposto do pai. Homem austero e sóbrio, dirigiu o reino com pulso de ferro. As leis que veio a fazer contrariaram costumes antigos e interferiram inclusivamente na vida privada das pessoas. Não foi um príncipe amado mas foi um rei respeitado.

Quando subiu ao trono tinha trinta e cinco anos e estava casado com Beatriz de Castela, que lhe deu sete filhos. O cognome de o Bravo deve-se sobretudo ao seu carácter colérico e violento. A sua primeira iniciativa – reunir cortes em Évora – teve como única finalidade obrigar os representantes do clero, da nobreza e do povo a declararem que o aceitavam como rei e a jurarem-lhe fidelidade. Isto não era habitual, mas se o rei o fez tinha as suas razões. Nos últimos anos de vida do pai o país fora sacudido por uma guerra civil muito violenta. De um lado lutava ele com os seus partidários e do outro os partidários de Dom Dinis. Isto porque se dizia que o rei preferia deixar o trono ao filho bastardo Afonso Sanches…

Durante três anos, Dom Afonso IV lutou com este seu irmão bastardo. Quem ajudou a pôr fim a esta guerra foi mais uma vez a Rainha Santa Isabel. Do convento onde se encontrava enviou súplicas ao filho e convenceu-o a negociar a paz. No reinado de Dom Afonso IV fizeram-se leis para melhor organizar a administração. Como havia notícia de que existiam ilhas no Oceano Atlântico, ao largo da costa de África, Dom Afonso IV decidiu mandar alguns navios para sul na ideia de averiguar “as condições daquelas terras”.

Os navegadores chegaram às Canárias, mas em 1344 o infante castelhano Luis de La Cerda conseguiu do papa o título de Senhor das Canárias. Dom Afonso IV protestou e o arquipélago tornou-se um pomo de discórdia entre os dois reinos e só muito mais tarde é que o assunto se resolveu, a favor da Espanha.

Uma das filhas de Dom Afonso IV, a infanta Dona Maria, casou com o rei de Castela, Dom Afonso XI. Mas o seu marido apaixonou-se por outra mulher e desprezou publicamente Dona Maria.

Dom Afonso IV não podia consentir em tamanha afronta e atacou Castela. A paz acabou por ser negociada à pressa porque os mouros se preparavam para invadir a Península Ibérica. Em 1340, portugueses e castelhanos defrontaram os mouros na Batalha do Salado. Os cristãos venceram. Não houve mais lutas entre Portugal e Castela. Dona Maria ficou viúva poucos anos depois porque o marido morreu de Peste Negra.

 



publicado por pimentaeouro às 21:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Mitologia grega

Escultura grega

Velho do Restelo

Gioconda

O sono da razão

Giacomo Casanova

Historia trágico-marítima

Mudam-se os tempos

ESQUECER PARA (SOBRE) VIV...

Avesso dos Lusíadas #3

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS