Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 22 de Outubro de 2017
D. Sancho I

D. Sancho I de Portugal (11-11-1154 a 26-03-1211), quarto filho de Afonso Henriques, sucedeu o seu pai no trono, tornando-se assim no segundo Rei de Portugal.

No entanto, a sua coroação acaba apenas por acontecer devido à morte prematura do seu irmão mais velho e legítimo aspirante ao trono.

Até então D. Sancho respondia pelo nome de Martinho e a mudança ocorre precisamente quando se posiciona como herdeiro do trono de Portugal, posição que o obriga a adoptar uma onomástica com um nome mais hispânico.

Cognome de Sancho I

Pela sua acção governativa, D. Sancho I conquistou o cognome de “O Povoador” pelo estímulo que deu ao povoamento de locais remotos do reino, nomeadamente na actual zona de Trás-os-Montes e da Beira Interior, região onde chegou mesmo a fundar a cidade da Guarda em 1199.

Ao longo do seu reinado, Sancho I dedicou grande parte do seu esforço a organizar administrativa e financeiramente o reino, apostando na criação de indústrias e no desenvolvimento da classe média de comerciantes e mercadores.

D. Sancho I de Portugal, quarto filho de Afonso Henriques, sucedeu o seu pai no trono, tornando-se assim no segundo Rei de Portugal (Autor: Imagem em domínio público)

D. Sancho I de Portugal, quarto filho de Afonso Henriques, sucedeu o seu pai no trono, tornando-se assim no segundo Rei de Portugal (Autor: Imagem em domínio público)

Para a história ficou o tesouro que conseguiu amealhar durante o seu reinado, criando assim as condições para que o jovem reino de Portugal pudesse caminhar firme no sentido da sua afirmação.

Militarmente centrou as suas atenções na luta contra os mouros, dando por terminada a guerra transfronteiriça pela região da Galiza que o seu pai tinha iniciado.

A partir de Coimbra, liderou o seu exército nos avanços para o Sul de Portugal, tendo mesmo chegado a alcançar sucessos consideráveis como a conquista de Silves, naquele tempo uma cidade com mais de 20 mil habitantes e de uma importância vital. Fruto destas acções passou a intitular-se Rei de Portugal e dos Algarves.

Esta vitória seria, no entanto, efémera já que a cidade de Silves, bem como outros territórios conquistados por essa altura, viriam a ser perdidos de novo para os exércitos árabes, muito por culpa do contínuo assédio feito às fronteiras do reino pelo Rei de Leão e Castela que continuava a não querer aceitar a independência de Portugal.

D. Sancho via-se obrigado a dividir as suas forças nestas duas frentes militares, o que lhe limitou sempre os avanços territoriais que pretendia para o reino.

Num plano mais pessoal, D. Sancho I ficou também conhecido pelo gosto que nutria pelas artes e pela literatura, tendo mesmo chegado a deixar publicados vários livros de poemas da sua autoria e a patrocinar a ida de estudantes portugueses para várias universidades estrangeiras.

O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, ao lado do túmulo do seu pai, Afonso Henriques. Foi sucedido no trono por Afonso II, seu filho.

 



publicado por pimentaeouro às 21:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Desejo de uma vida

Combater a solidão

D. Afonso VI

Alberto Caeiro

Robespierre

É urgente o Amor

Corsários e Piratas Portu...

Amigo António

Conversa com uma amiga

Faleceu Madalena Eglesias

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

do Natal - Uma bruxa dife...

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

links
últ. comentários
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
Obrigado.Desejo-lhe um bom Ano Novo.
Amigo João, Gostava tanto de transmitir-lhe um pou...
A esperança é a última coisa a perder!Há inovações...
Esta doença maldita, crónica, dói sempre não tem c...
Tudo tem uma razão de ser, logo há motivo(s) para ...
Obrigado.
Devemos sempre manter a força, mas custa encarar o...
Diz-se que não há fumo sem fogo. Não sabemos onde ...
Não conhecia a história, obrigada!
blogs SAPO
RSS