Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quarta-feira, 28 de Junho de 2017
De onde venho? #2

Resultado de imagem para inicio da terra

 

Aceitar que a vida não tem sentido é um choque, pode até ser uma angústia e para os crentes de qualquer religião é um absurdo, mas de facto não tem sentido.  Nós é que temos de acrescentar-lhe um, escolher um desígnio, para vivermos com dignidade, sem esquecer que a nossa natureza acrescenta valores éticos ao que pensamos, ao que fazemos e ao que esperamos que os outros façam.

Não conseguimos viver sem valores éticos… a menos que nos transformemos em oportunistas inveterados que atropelam tudo e todos.

O Aleijadinho esculpia as suas estátuas com o martelo e o escopo amarrados às mãos e tinha de captar o essencial de cada apostolo. Sem a arte dele tenho a mesma obsessão quando escrevo: só o essencial, só o essencial.

Para escrever este  post tive que montar um cavalo brioso,  mais veloz do que a luz, tive que captar apenas traços muito gerais de uma história com cerca de 15 mil milhões de anos, antiguidade que somos incapazes de compreender. Só a viagem por uma pequena galáxia dava para escrever um livro.

Da recentíssima vida na Terra – escassos 4,5 mil milhões de anos – sabemos que a vida poderia ter meia dúzia ou mais de percursos diferentes com formas (seres) também inimagináveis: as ciências que se ocupam da evolução da vida na terra confirmam que a evolução é caótica, que poderia ter seguido num sentido ou no seu oposto, evoluiu por etapas ou por saltos bruscos, tudo fruto de múltiplos factores difíceis de pesquisar.

A última grande extinção no Pérmico, cerca de 250 a 300 milhões de anos deu-nos as actuais formas de vida. Os seres que sobreviveram e os novos que surgiram não tinham  qualquer consciência de  que eram os protagonista de uma nova era, apenas desenvolviam troques para sobreviver. É deles,  dos dinossáurios que se extinguiram, que se abre o caminho para os insignificantes mamíferos.

Sem a extinção maciça dos dinossáurios é pouco provável que os mamíferos se tornassem dominantes e que nós tivéssemos entrado em cena. Foi preciso que os dinossáurios se extinguissem para nós surgimos.  A nossa história, uma odisseia, dá para escrever uma biblioteca inteira.

Por um acidente tectónico no Vale do Rift Africano, uma parte da floresta desapareceu e nasceu a savana. Um macaco curioso, desceu das árvores e começou a perscrutar a savana e os seus predadores: pouco depois entramos em cena até ao Homo Sapiens. Seguiram-se uma série de acontecimentos prodigiosos – a invenção do fogo é apenas um deles - mas é uma história demasiado complexa para que eu a possa esboçar.

Se não tivesse acontecido mais nada, a razia do Pérmico, era suficiente para nos ensinar – se quisermos aprender – que a marcha cósmica da vida não tem qualquer sentido: as glaciações também condicionaram muito a evolução do homem, até podiam tê-lo eliminado: foi uma aventura de sobrevivência extraordinária e há quem relacione as glaciações com o aumento do cérebro: necessidade de mais estratégias de sobrevivência.

E o futuro? Desígnio, missão o que lhe queiram chamar remete para a existência de um futuro, imaginariamente perfeito.

Mas também aqui as noticias não são boas: a espécie humana terá um fim, como todas as espécies. Poderá ser decadência prolongada, eliminação súbita como a dos dinossáurios, ou às nossas próprias mãos – há loucura sucifiente para isso.

A nossa eliminação ocorrerá daqui a vários milhões de anos, ficarão os insectos e as baterias, que também se extinguirão depois de outros milhões.

Mais milhões à frente o planeta ficará estéril, sem qualquer manifestação de vida como a Lua, e, finalmente será literalmente derretido quando o Sol se transformar numa gigante vermelha. Não restará nenhuma peugada de quem viveu e do que aconteceu às nossas vidas insignificantes: não existiu nenhum sentido nem nenhum desígnio, apenas os átomos mudaram de composição, como vem fazendo à milhões e milhões de anos.

A maior dificuldade em contar esta história, dificuldade que eu não sei ultrapassar, é a imensidão inimaginável, para nós, da dimensão do tempo:

estamos programados para imaginar meses, anos e décadas já com esforço, o resto ultrapassa-nos.

Fico-me por aqui,  o meu desígnio para vencer esta solidão cósmica, foi procurar que a sociedade fosse mais justa. Falhei mas está  cumprido, agora são as novas gerações que têm que dar sentido às suas vidas.

Para repouso final gostava de poder recolher-me  numa estrela.

 



publicado por pimentaeouro às 18:37
link do post | comentar | favorito (2)
|

5 comentários:
De golimix a 29 de Junho de 2017 às 14:39
Que dizer deste seu post?
Excelente!


De pimentaeouro a 29 de Junho de 2017 às 18:18
Obrigado.
Um abraço.


De cheia a 30 de Junho de 2017 às 21:16
Uma boa reflexão. Parabéns.


De maiordesessenta.blogspot.pt/ a 1 de Julho de 2017 às 13:24
Parabéns pela excelente reflexão.
Fez.me sentir menos só , nesta "solidão cósmica".
Na imensidão do Universo não há vestígios de nós, não se ouve o nosso choro, nem o nosso riso...
Obrigada
Mena


De pimentaeouro a 1 de Julho de 2017 às 18:08
Irremediavelmente sós.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

José Afonso

Robots

Nefertiti

Envelhecer

Nau catrineta #2

Amigo dos animais

Solidariedade

Rainha do Sul

Calamidade

As mil e uma noites

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Fogueira

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Fizeram uma série baseada no livro e uma das minha...
Como é a vez das novas gerações?Enquanto estivermo...
O problema é outro, o António tem a mobilidade red...
Estando ele a sentir-se mal, podem ter tido de ir ...
A mulher podia abrir a porta.
Que pena. Talvez ele não tenha vindo por se ter se...
Acho que sim.
Não sabia que existia uma praia assim na Europa
mas se apenas uma pessoa souber, será ainda assim ...
:) ainda bem que não trocam :)
blogs SAPO
RSS