Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2017
Encruzilhada

encruzilhadas.jpg

 

Não tive mãe nem pai que me vissem crescer e me fizessem homem apesar de ambos estarem vivos.  Segui o fado de todos os órfãos, não pertencem a n inguém, tem um vazio na alma que nunca é preenchido.

 O acaso e algumas decisões tecerem a minha vida sem raízes. Peregrino por várias terras, sou filho de terra nenhuma.

Pertencer a uma terra, não é apenas o lugar, bonito ou não, são as pessoas,  a família, os amigos que fizemos ao longo dos anos, as boémias e as tristezas, o trabalho onde ganhamos o sustento, os amores passados e recentes, a rede de relações que fomos tecendo e nos prendem a esse lugar.

Em todos os lugares onde vivi tive bons amigos mas senti-me sempre de fora, estrangeiro.

Tive três encruzilhadas que poderiam ter-me dado histórias de vida diferentes da que vivi: o meu primeiro amor com a Fernanda; o amor proibido com a Julieta e a ida para Moçambique que não se concretizou.

Fernanda e Julieta eram diferentes em tudo, recordo a Fernanda como uma rapariga alegre, afectiva e bonita, a Julieta era reservada, sem beleza especial e de forte personalidade, estava à frente da sua época.

À distancia de cerca de sessenta anos continuo a pensar que a minha vida deveria ter acontecido com a Fernanda, possuía tudo o que eu precisava para ter uma vida estável, com alguma felicidade, porque não. A Fernanda podia serenar a minha intranquilidade e anemizar a minha solidão. Não tive essa vida.

Não posso esquece-las nem aos amigos que tive em Torres Novas. Fizeram parte da minha vida, na mocidade, que deveria ter sido a melhor época da minha vida mas não foi.

Agora tudo é passado e memória.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:06
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De A rapariga do autocarro a 26 de Outubro de 2017 às 10:13
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás!


De pimentaeouro a 26 de Outubro de 2017 às 22:04
Nem sempre é possível.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Mitologia grega

Escultura grega

Velho do Restelo

Gioconda

O sono da razão

Giacomo Casanova

Historia trágico-marítima

Mudam-se os tempos

ESQUECER PARA (SOBRE) VIV...

Avesso dos Lusíadas #3

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS