Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 2 de Junho de 2016
Eternidade
 

 

 

 

Para que a angustia do nada não nos conduza ao desespero, inventamos fugas: o culto dos mortos, a vida álem tumulo, a eternidade da alma, mundos espirituais paralelos, etc.: tudo provocado pelo medo do vazio, do nada, e para complicar tudo isto ainda aspiramos à perfeição, outra fantasia da nossa imaginação.

A efemeridade e a fragilidade da nossa condição gera o oposto, múltiplas formas de aspirar à eternidade, uma confusão de mitos.

Somos apenas o resultado de um encontro fortuito de átomos, que com a morte regressam à poeira sideral das estrelas para outras combinações entre si. Nem tudo está perdido, mesmo efemeros fazemos construções colectivas, as sociedades e suas civilizações, que podem durar alguns milhares de anos antes de sucumbirem e desaparecerem para sempre, é o que fica da nossa passagem colectiva pela Terra.

Remetidos para um beco sem saída, podemos criar um sentido para a vida sem sentido: deixar aos que nos sucedem algo mais do que recebemos daqueles que nos precederam.

Poderá ser altruísmo  mas melhorar a condição efemera da Humanidade, dar mais do que recebemos é igualmente a essência da solidariedade e do amor.

Sou um D. Quixote mas foi este o sentido das minhas lutas contra os moinhos de vento que me derrotaram:  foi pouco mas foi o meu contributo possível.

 

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 11:07
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De A rapariga do autocarro a 3 de Junho de 2016 às 11:03
Não sei ao certo o que somos, mas eu acredito na imortalidade da alma!


De pimentaeouro a 4 de Junho de 2016 às 00:31
O que somos? Quase nada e por pouco tempo.
Respeito as crenças alheias.


De redonda a 4 de Junho de 2016 às 23:43
Gostei da ideia que podemos criar um sentido para a nossa vida, deixando aos que nos sucedem algo mais do que recebemos.
um beijinho e um bom Domingo
Gábi



De pimentaeouro a 6 de Junho de 2016 às 18:07
É melhor do que nada.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Mitologia grega

Escultura grega

Velho do Restelo

Gioconda

O sono da razão

Giacomo Casanova

Historia trágico-marítima

Mudam-se os tempos

ESQUECER PARA (SOBRE) VIV...

Avesso dos Lusíadas #3

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS