Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 22 de Outubro de 2017
Fernão Lopes

 

fernao lopes.jpg

 

 

São escassos os dados biográficos conhecidos sobreFernão Lopes. Os testemunhos documentais de quedispomos informam, sobretudo, sobre os cargos queocupou ao serviço dos primeiros reis da dinastia deAvis. Por certidões de 1418, sabe-se que exercia asfunções de "guardador das escrituras do Tombo" e "escrivão dos livros" de D. João I e D. Duarte. Foi"escrivão da puridade" do infante D. Fernando, a partir de 1422, e, em 1437, lavrou o testamento doinfante martirizado em Tânger,  como "tabeliãogeral" do reino. Em 1457, D. Afonso V substituiu-o nassuas funções por Gomes Eanes de Zurara, sendo de1459 a última notícia relativa à sua vida. Enquantocronista oficial sob as cortes de D. João I, D. Duarte e regência de D. Pedro, redigiu as crónicas de D. Pedro ,D. Fernando e D. João I . As suas funções simultâneascomo guardador das escrituras e cronista-mor doreino acabam por favorecer o seu legado comohistoriador, visto que a composição das crónicasdependeu do conhecimento e seleção do material a que tinha acesso. 
Data de 1434, segundo Damião de Góis, a suainvestidura por D. Duarte do cargo de cronista doreino, ao ser-lhe confiada a missão de colocar emcrónica "as estórias dos reis que antigamente emPortugal foram", bem como os "grandes feitos e altosdo mui virtuoso" rei D. João I, seu pai. Desta crónicageral, além do testemunho do seu sucessor, não havianenhum vestígio até serem encontrados osmanuscritos da Crónica de Portugal de 1419, que têmsido considerados de sua autoria. Com efeito, asalusões de Fernão Lopes, nas suas crónicas, a textosanteriores sobre os primeiros reis, assim como o conteúdo e circunstâncias de composição destesmanuscritos, parecem corresponder a esse projetohistoriográfico mais amplo de que fora incumbido o cronista. Mas é acima de tudo pelas crónicas de D.Pedro, de D. Fernando e de D. João I (que chegaram aténós por apógrafos do século XVI) que o talento e excecionalidade como historiador e como escritor,relativamente aos cronistas medievais, se afirmou.Não se trata para o cronista de refundir textoshistoriográficos anteriores, mas de elaborar em novosmoldes a narração do devir histórico, individualizandoos protagonistas na sua compleição psicológicadenunciada em ato, encenando os episódioshistóricos no mesmo momento da sua ocorrência,emprestando tanto quanto possível verosimilhançaao encadeamento dos factos. É no prólogo da Crónicade D. João I que o cronista expõe o seu objetivo e método de historiar inovador. O seu desejo é "emesta obra escrever verdade sem outra mistura", paraque faz concorrer toda a gama de documentospossível, desde narrativas a documentos oficiais,confrontando-os entre si para assegurar a veracidadedos registos existentes: "Oh com quanto cuidado e diligência vimos grandes volumes de livros, dedesvairadas linguagens e terras, e isso mesmopúbricas escrituras de muitos cartários e outroslugares (...). Nem entendais que certificamos cousa,salvo de muitos aprovada, e per escrituras vestidas de  [...]".

 

P.S.

Foi o pai da nossa História, estava avançado para a sua época até na Europa.



publicado por pimentaeouro às 21:49
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Mitologia grega

Escultura grega

Velho do Restelo

Gioconda

O sono da razão

Giacomo Casanova

Historia trágico-marítima

Mudam-se os tempos

ESQUECER PARA (SOBRE) VIV...

Avesso dos Lusíadas #3

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS