Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 20 de Abril de 2017
Fernão Mendes Pinto
Resultado de imagem para fernao mendes pinto
 
 
Fernão Mendes Pinto nasceu em Montemor-o-Velho, talvez em1510, e morreu em Almada, supostamente a 8 de julho de 1583.
Pertenceu a uma família modesta, mas a que talvez não faltassecerto grau de nobreza. Ainda pequeno, um seu tio levou-o paraLisboa onde o pôs ao serviço na casa do duque D. Jorge, filho deD. João II. Manteve-se aqui durante cerca de cinco anos, dois dosquais como moço de câmara do próprio D. Jorge, factoimportante para a comprovação da sua descendência de umaclasse social que contradizia a precária situação económica que afamília então detinha.
Avivêncianestemeiosocialnãoéalheiaàsuaapetênciaeinspiraçãoparaaescritaeparaasfunçõesdiplomáticasquedesempenhoualgumasvezes.
 
Cerca de 1537, parte para a Índia, ao encontro dos seus doisirmãos. De acordo com os relatos da sua obra Peregrinação, em1538, fez um cruzeiro ao mar Vermelho e, logo a seguir,participou num combate naval. Sem nunca o ter comprovado,refere também que entrou na Abissínia. Foi cativo dosmuçulmanos, vendido a um grego e por este a um judeu que olevou para Ormuz.
Acompanhou Pedro de Faria a Malaca, de onde fez o ponto departida para as suas aventuras, tendo percorrido, durante 21acidentados anos, as costas da Birmânia, Sião, arquipélago deSunda, Molucas, China e Japão. Numa das suas viagens a estepaís conheceu S. Francisco Xavier e, influenciado pelapersonalidade, decidiu entrar na Companhia de Jesus epromover uma missão jesuíta ao Japão.
Em 1554, depois de libertar os seus escravos, vai para o Japãocomo noviço da Companhia de Jesus e como embaixador do vice-rei D. Afonso de Noronha junto do rei do Bungo. Esta viagemconstituiu um desencanto para ele, quer no que se refere aocomportamento do seu companheiro, quer no que respeita aocomportamento da própria Companhia. Desgostoso, abandona onoviciado e regressa a Portugal. Aqui, com a ajuda dogovernador Francisco Barreto, conseguiu arranjar documentoscomprovativos dos sacrifícios realizados pela pátria, que lhederam direito a uma tença, nunca recebida. Desiludido, foi paraVale de Rosal, em Almada, onde se manteve até à morte e ondeescreveu, entre 1570 e 1578, a obra que nos legou, a suainimitável Peregrinação . Esta só viria a ser publicada 20 anosdepois da morte do autor, receando-se que o original tenhasofrido alterações às quais não seriam alheios os Jesuítas.


publicado por pimentaeouro às 20:34
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Zorba, o louco #2

Zorba, o louco #1

Os pastorinhos e a dança ...

Fernão Mendes Pinto

Legionella

Férias do senhor Hulot #2

Férias do senhor Hulot

Um lugar perigoso

O canto e as armas

Mesquita de Cordova

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

férias

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Pensei nele quando tive a oportunidade de ir à Gré...
A fé não se discute, aceita-se.Bom fim-de-semana p...
Visto assim, parece realmente um milagre um bocadi...
Também não conheço mas rezam as crónicas que é mui...
Parece ser muito bonita. Gostava de ir lá um dia.
Que pesadelo!
Eu contentava-me com dia sim, dia não.
Felizes dizia eu.
Bom, bom era todos os dias serem feluzes.
Imagine um dia de felicidade em Alepo Abraço
blogs SAPO
RSS