Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Terça-feira, 14 de Novembro de 2017
Fogo do céu

bomba nuclear.jpg

 

Estou a terminar a leitura de um pequeno livro “A Segunda Guerra Mundial” de Gerhard Schreiber. É um monumento à barbaridade humana.

Segundo o autor houve diversas guerras dentro da Segunda Guerra Mundial e entre elas a guerra das bombas.

A iniciativa foi nazi, mas a partir de Agosto de 1 942, quando ingleses e americanos adquiriram superioridade em meios aéreos e de comunicações, os bombardeamentos tornaram-se industriais, prioritariamente sobre grandes centros urbanos, infra-estruturas industriais e de transportes.

O objectivo deliberado das duas partes consistia em aterrorizar – e massacrar – as populações civis. Nazis e Aliados em pé de igualdade! Foram mortos milhões de civis de todas as idades e arrasadas grandes cidades na Europa, ex União Soviética, China, Japão, etc.

A guerra das bombas foi uma nova forma de fazer a guerra, como nunca tinha existido no mundo, e violou todas as convenções internacionais sobre a utilização de meios aéreos.

Desde 45 para cá, a corrida aos armamentos e respectivo tráfico nunca cessaram, mas pior, a evolução tecnológica dos armamentos ultrapassa tudo o que posamos imaginar.

Paradoxalmente, podemos afirmar que os armamentos utilizados na segunda guerra mundial e a sua capacidade de morte e destruição, são hoje peças de museu!

Entre esta monstruosa parafernália de meios de destruição conta-se as bombas de fragmentação, bombas que contêm dezenas ou centenas de pequenas bombas no seu interior que se espalham cegamente por uma área de território alargada, matando e destruindo ao acaso. Uma loucura do cérebro humano.

A Convenção contra as Bombas de Fragmentação foi assinada por 107 países em Dezembro de 2 008, em Oslo, para entrar em vigor este ano. Até hoje a Convenção foi ratificada apenas por 38 países.

EUA, Rússia e China, os grandes fabricantes mundiais destas bombas não ratificaram – coerentemente – a Convenção.

Apesar de tudo isto, as bombas de fragmentação são apenas uma pequena amostra do inferno que caí do céu. As guerras de hoje – EUA à cabeça – são precedidas de semanas seguidas de bombardeamentos, diurnos e nocturnos, para depois os exércitos ocuparem as ruínas.

O objectivo de aterrorizar as populações civis deve estar a atingir o seu limite.

 

 

 

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 19:51
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Desejo de uma vida

Combater a solidão

D. Afonso VI

Alberto Caeiro

Robespierre

É urgente o Amor

Corsários e Piratas Portu...

Amigo António

Conversa com uma amiga

Faleceu Madalena Eglesias

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

do Natal - Uma bruxa dife...

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

links
últ. comentários
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
Obrigado.Desejo-lhe um bom Ano Novo.
Amigo João, Gostava tanto de transmitir-lhe um pou...
A esperança é a última coisa a perder!Há inovações...
Esta doença maldita, crónica, dói sempre não tem c...
Tudo tem uma razão de ser, logo há motivo(s) para ...
Obrigado.
Devemos sempre manter a força, mas custa encarar o...
Diz-se que não há fumo sem fogo. Não sabemos onde ...
Não conhecia a história, obrigada!
blogs SAPO
RSS