Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 19 de Maio de 2016
Homo sapiens ? #2
 

 

 

 

Autores de diversas áreas consideram o homo sapiens insensato e pérfido e alguns até duvidam, simplesmente, que alguma vez tenha sido sapiens.

Estas dúvidas não surgem apenas em épocas de grandes crises e desastres (I Guerra Mundial, grande depressão de 1929, II Guerra Mundial, etc), é um cepticismo – será cepticismo? – permanente de uma visão da História.

Edgar Morin considera que o homo sapiens é simultaneamente homo demens, Mark Twain escreve um ensaio com o título “A Abominável Raça Humana” e existe abundante literatura onde o homem é o vilão, o lobo do homem, o assassino do homem.

A linha divisória entre razão e emoção, racional e irracional, lucidez e loucura, é muito ténue e os dois extremos misturam-se com frequência.

Guerras, massacres e limpezas étnicas são incontáveis, mas a partir do século XVI com o colonialismo Ocidental adquiriram uma dimensão industrial.

Com a pilhagem das terras e de matérias-primas praticaram-se dezenas de genocídios em África, América Central e do Sul, Austrália,  e um pouco por quase toda a Terra.

Já nos séculos XVIII e XIX, os europeus que emigraram para os EUA dizimaram as populações indígenas. O Estado pagava por cada cabeça e  privados «caçavam» de conta própria.

Os sobreviventes deste genocídio, que deu muitos filme de cowboys, foram confinados a exíguas reservas, para morrerem lentamente.

Nós, portugueses, também temos uma quota, mas especializamo-nos numa modalidade: a venda de escravos negros, aos milhões, (até vendíamos aos Espanhóis), tratados como animais e transportados de África, para o «Novo Mundo» como sacos de batatas.

Raramente falamos desta ignomínia da nossa história. Preferimos evocar os heróis e os grandes feitos da imensa amalgama de grandezas e misérias a que chamamos “Descobrimentos”.

Sapiens e louco! 

 



publicado por pimentaeouro às 20:44
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

D. Manuel I

Eternidade #3

Cuidado com a Ana

As sete maravilhas

Por este rio acima

Albinoni

Beethoven

Semi-servos

Grande mesquita de Djenné...

Política

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

Vazio

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

links
últ. comentários
Valeu-nos os Espanhóis andarem entretidos com as g...
Já fiz o luto da minha primeira mulher. Agora rest...
... Agora é menos bonita. A velhice tem muitos inc...
O acaso é o grande fazedor de vidas, dramas, felic...
Viveu e Vive de forma tão bonita!*
Como pode um episódio tão doce ter um final tão dr...
Amigo João,Não sei encontrar palavras para si, por...
Interessante, gosto muito de história,
Interessante, gostei de ler o seu post.
blogs SAPO
RSS