Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sábado, 29 de Abril de 2017
Instrução primária

Resultado de imagem para ensino primário portugal

 

Era assim que se chamava. Na década de 40 do século passado frequentava a segunda classe da instrução primária. Sabia somar e subtrair e ler algumas coisitas porque o meu cérebro tinha poucos neurónios, alias nunca teve muitos.

Foi por causa deste ensino tão primário que não cheguei a ser médico, engenheiro os mecânico de automóveis, alias não pertenço  à espécie do Homo Sapiens, devo estar mais perto dos chipanzes.

Genealogia à parte, vamos ao que importa:

Com oito anos, este rapaz está no 2.° ano, o mesmo ano que, na próxima semana, vai ter pela primeira vez provas de aferição em expressões artísticas e fisico-motoras. Os guiões das provas já chegaram às escolas,
 mas um dos exemplos disponibilizados pelo Ministério da Educação nas últimas semanas prendeu-me a atenção. Aparece na prova de expressões artísticas e a tarefa começa com um pedido aos alunos para se deitarem no chão da sala. Segue-se uma música pára aquecimento, em que têm de imaginar que acabaram de acordar e que, ao longe, ouvem os sons da casa. Devem então começar a tentar levantar-se, muito lentamente.

Espreguiçam-se e começam a movimentar-se pelo espaço, admiran-
 do tudo à sua volta. “Aproximas-te. Abres a janela imaginária e sentes o vento, primeiro na cara e depois no corpo todo. O vento envolve-te e começas a voar”, prossegue o guião. Gostava de ter tido testes assim... na realidade, assim até nem importava de ter testes de novo. “Lá de cima contempla   tudo em teu redor. Olha para baixo e depois novamente à tua volta. O vento abranda, o teu corpo desce, e ficas no meio de outra pessoas que também acabaram
 de aterrar.”

 A certa altura, nova instrução: “Sempre que se ouvir o som de um sino, pára e, sem falar, cumprimenta a pessoa que estiver mais perto de ti. Quando o sino deixar de se ouvir, retoma o teu caminho como se nunca tivesses encontrado essa pessoa.” Depois, um novo desafio.

“Agora, um de vocês vai imitar os movimentos do outro, como se fosse um espelho, em câmara lenta. Começam por decidir quem faz os movimentos e quem os imita.” Depois de trocarem de funções — quem estava a fazer os movimentos passa a imitá-los e vice-versa — chega a hora de regressarem a casa. “Para conseguires regressar, vais precisar da ajuda de uma corrente de ar.” Começam a ouvir o vento e têm de soprar para o tornar mais forte. E a tarefa termina suave e bonita como começou: a fingir que apanham boleia do vento para voltar ao lugar inicial da roda."

Cito Marta F. Reis, jornal I de ontem. 

Ainda não consegui perceber o que tem impedido este governo e os anteriores de mandarem bombardear o edifício do Mistério, digo Ministério da Educação.

 

 

P.S.

Entre outras perólas, ensinar os alunos a deitarem-se no chão é muito higienico.


tags:

publicado por pimentaeouro às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Raríssimo ou talvez não.....

IRMÃO HOMEM

O piolho viajante

D. Manuel I

Eternidade #3

Cuidado com o Ana

As sete maravilhas

Por este rio acima

Albinoni

Beethoven

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Mãe, até amanhã

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

Vazio

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

links
últ. comentários
Valeu-nos os Espanhóis andarem entretidos com as g...
Já fiz o luto da minha primeira mulher. Agora rest...
... Agora é menos bonita. A velhice tem muitos inc...
O acaso é o grande fazedor de vidas, dramas, felic...
Viveu e Vive de forma tão bonita!*
Como pode um episódio tão doce ter um final tão dr...
Amigo João,Não sei encontrar palavras para si, por...
Interessante, gosto muito de história,
Interessante, gostei de ler o seu post.
blogs SAPO
RSS