Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2018
Lutero

Martinho Lutero, em alemãoMartin Luther (Eisleben10 de novembro de 1483 — Eisleben, 18 de fevereiro de 1546), foi um monge agostiniano e professor de teologiagermânico que tornou-se uma das figuras centrais da Reforma Protestante. Levantou-se veementemente contra diversos dogmas do catolicismo romano, contestando sobretudo a doutrina de que o perdão de Deus poderia ser adquirido pelo comércio das indulgências. Essa discordância inicial resultou na publicação de suas famosas 95 Tesesem 1517, em um contexto de conflito aberto contra o vendedor de indulgências Johann Tetzel. Sua recusa em retratar-se de seus escritos, a pedido do Papa Leão X em 1520 e do imperador Carlos V na Dieta de Worms em 1521, resultou em sua excomunhão da Igreja Romana e em sua condenação como um fora-da-lei pelo imperador do Sacro Império Romano Germânico.

Lutero propôs, com base em sua interpretação das Sagradas Escrituras, especialmente da Epístola de Paulo aos Romanos, que a salvação não poderia ser alcançada pelas boas obras ou por quaisquer méritos humanos, mas tão somente pela fé em Cristo Jesus (sola fide), único salvador dos homens, sendo gratuitamente oferecida por Deus aos homens. Sua teologia desafiou a infalibilidade papal em termos doutrinários, pois defendia que apenas as Escrituras (sola scriptura) seriam fonte confiável de conhecimento da verdade revelada por Deus.[1] Opôs-se ao sacerdotalismo romano (isto é, à consagrada divisão católica entre clérigos e leigos), por considerar todos os cristãos batizados como sacerdotes e santos.[2] Aqueles que se identificaram com os ensinamentos de Lutero acabaram sendo chamados de luteranos.

Em seus últimos anos, Lutero mostrou-se radical em suas propostas contrárias aos judeus alemães, tendo sido inclusive considerado posteriormente um antissemita. Essas e outras de suas afirmações fizeram de Lutero uma figura bastante controversa entre muitos historiadores e estudiosos.[3] Além disso, muito do que foi escrito a seu respeito sofre da reconhecida parcialidade resultante de paixões religiosas.

 

 


publicado por pimentaeouro às 19:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Robespierre

É urgente o Amor

Corsários e Piratas Portu...

Amigo António

Conversa com uma amiga

Faleceu Madalena Iglésias

Faleceu Madalena Eglesias

Tenho fases, como a Lua

Cantigas de escárnio e ma...

Defender criminosos

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

do Natal - Uma bruxa dife...

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

links
últ. comentários
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
Obrigado.Desejo-lhe um bom Ano Novo.
Amigo João, Gostava tanto de transmitir-lhe um pou...
A esperança é a última coisa a perder!Há inovações...
Esta doença maldita, crónica, dói sempre não tem c...
Tudo tem uma razão de ser, logo há motivo(s) para ...
Obrigado.
Devemos sempre manter a força, mas custa encarar o...
Diz-se que não há fumo sem fogo. Não sabemos onde ...
Não conhecia a história, obrigada!
blogs SAPO
RSS