Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2017
Machu Picchu

 Resultado de imagem para machu picchu

 

Machu Picchu foi, ao lado de Cuzco, um dos dois mais importantes centros urbanos da antiga civilização inca. “Inca” (o filho do Sol) era o nome que se dava ao soberano que reinava sobre o povo quíchua, que se desenvolveu na região da América do Sul onde hoje se encontram países como o Peru, o Equador, a Bolívia e o Chile.

O império inca, cujo último chefe político foi Tupac Amaru, morto em 1572, era conhecido como Tahuantinsuyu, isto é, “o mundo dos quatro cantos”. Essa denominação estava ligada sobretudo ao fato de o império dividir-se em quatro partes principais. Cuzco (que significa “umbigo do mundo”) ficava no centro dessas quatro regiões e era considerado a capital da civilização inca.

Machu Picchu, que significa “velha montanha”, foi construído por volta do século XV pelo líder inca Pachacuti. A montanha na qual sua estrutura foi erguida fica próxima a Cuzco, no atual Peru, portanto, perto do centro do império.

Em Machu Picchu foram construídas pirâmides em degraus, templos, calendários solares e diversas outras construções em pedra e adobe ( os incas não conheciam a roda e é difcil imagnar como transportavam a pedra para a montanha ). Além disso, era comum a domesticação de animais, como a alpaca e o lhama, que estavam na base da economia do povo quíchua, já que deles era extraído a lã e também serviam para transporte de carga e alimento.


O lhama era um dos animais mais importantes para a economia inca

Por muito tempo Machu Picchu foi considerada a “cidade perdida dos incas”, pois até 1911 não se sabia com precisão qual era a sua localização. Sabia-se que sua montanha estava no circuito do chamado “Caminho Inca”, isto é, um caminho de túneis perfurados em rochas que ligava todo o império inca por cerca de 40 mil quilômetros. A descoberta e divulgação de Machu Picchu só ocorreu em 1911, com a expedição do arqueólogo americano Hiram Bingham.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 20:01
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De redonda a 27 de Janeiro de 2017 às 19:46
Um dia gostava de ir lá (o meu afilhado esteve lá no verão de há dois anos)


De pimentaeouro a 27 de Janeiro de 2017 às 21:56
Deve ser de cortar a respiração.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Perplexo

Flamenco #3

Guantanamera

S. Pedro zangado

Flamenco #2

Ciro II

Ricos e pobres

Reformar, reformar

Flauta de pan

A EMEL é fel

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

férias

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Gosto imenso!
Esperemos que não fique zangado muito mais tempo.....
E uma metáfora do nosso país. Temos muitos pobres ...
Não resistem...
Será que existirá sempre este fosso enorme?
Os casos que refere são excepções que não traduzem...
Mas nos anos 50/60 já havia por cá mulheres que ti...
Não há melhor.
blogs SAPO
RSS