Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 20 de Novembro de 2016
Mestre Finezas

- A navalha magoa-te?

Uma onda de ternura por aquele velho amoleceu-me. Dá-me vontade de dizer que não, que a navalha não me magoa, que nem sequer  sinto. O que magoa é ver a presença da morte alastrando pelas paredes escuras da loja, escorrendo dos papéis caídos do tecto envolvendo-o cada vez mais, dobrando-lhe o corpo para o chão.

Mas Mestre Finezas parece nada disto sentir. Salta de um assunto para outro com facilidade. Preciso de tomar atenção para lhe seguir os fios do pensamento. Agora faz-me queixas da vila. E termina como sempre: - Esta gente não pensa noutra coisa que não seja o negócio,  a lavoura. Para eles é a única razão da vida.

Volto a cabeça e olho-o. Sei o que vai dizer-me. Vai falar-me do abandono a que o votaram. Vai falar-me do teatro, da música, da poesia. Vai repetir-me que  a arte é a mais bela coisa da vida. Mas não. Já nos entendemos só pelo olhar.

- Que sabem eles da arte? Tu que estudaste, tu sabes o que é a arte. Eles hão-de morrer sem nunca terem gozado os mais belos momentos que a vida pode dar!

Eu não te disse nada, Carlitos, mas, olh, tenho vendido tudo para não morrer de fome… Tudo. Mas isto!

Estendeu o violino na minha direcção e continuou, reprimindo um soluço:

-Isto nem que eu morra!... É a minha última recordação…

 

Manuel da Fonseca, Aldeia Nova

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 18:18
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Proverbios arábes

Aleijadinho

De onde venho?

Raríssimo ou talvez não.....

IRMÃO HOMEM

O piolho viajante

Eternidade #3

Cuidado com o Ana

As sete maravilhas

Por este rio acima

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

Vazio

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

links
últ. comentários
Na minha idade questiono-me se não poderia ter viv...
Por certo não falhaste.Por certo fizeste a tua par...
Valeu-nos os Espanhóis andarem entretidos com as g...
Já fiz o luto da minha primeira mulher. Agora rest...
... Agora é menos bonita. A velhice tem muitos inc...
O acaso é o grande fazedor de vidas, dramas, felic...
Viveu e Vive de forma tão bonita!*
Como pode um episódio tão doce ter um final tão dr...
Amigo João,Não sei encontrar palavras para si, por...
blogs SAPO
RSS