Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 11 de Junho de 2017
Mo

Resultado de imagem para mo pedra de moer

 

Nos anos 30 e 40 do século passado Portugal era um país pobre e atrasado. A grande maioria da população era pobre, a classe média era muito reduzida e os ricos não tinham grandes fortunas, ainda estavam para vir.

A minha avó comprava na mercearia milho em grão que moia numa mo exectamente igual à da imagem acima e fazia papas de milho que eram temperadas com açucar, mel ou pequenos cubos de pão frito.

As papas de milho eram o bife dos pobres e até remediados.


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:29
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De redonda a 12 de Junho de 2017 às 18:55
Passando para responder também aqui, fiquei muito feliz por saber, gostaria muito de o conhecer em pessoa!

O meu email do blogue é escritaredonda@gmail.com - estive à procura do seu, mas não consegui encontrá-lo, se puder dizer-me qual é o seu ou enviar um email para o meu, poderei depois indicar o meu outro email e o meu número de telemóvel

um beijinho e espero que dê para nos conhecermos no dia 8 de Outubro

Gabriela



De pimentaeouro a 12 de Junho de 2017 às 19:01
O meu mail é gomesgoncalves35@sapo.pt.
Também gostaria de a conhecer pessoalmente.
Um abraço.


De redonda a 12 de Junho de 2017 às 18:58
Sobre este post, acho que nunca comi papas de milho...Perguntei à minha mãe, ela disse que a minha avó fazia, o meu avô e a minha mãe gostavam. Perguntei-lhe se nunca tinha feito para nós, as filhas, quando éramos crianças e respondeu-me que não tinham assim um grande teor alimentício...terá sido por isso que nunca as pude provar...


De pimentaeouro a 12 de Junho de 2017 às 22:25
Não sei qual é o valor alimentício das papas de milho.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

José Afonso

Robots

Nefertiti

Envelhecer

Nau catrineta #2

Amigo dos animais

Solidariedade

Rainha do Sul

Calamidade

As mil e uma noites

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Fogueira

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Fizeram uma série baseada no livro e uma das minha...
Como é a vez das novas gerações?Enquanto estivermo...
O problema é outro, o António tem a mobilidade red...
Estando ele a sentir-se mal, podem ter tido de ir ...
A mulher podia abrir a porta.
Que pena. Talvez ele não tenha vindo por se ter se...
Acho que sim.
Não sabia que existia uma praia assim na Europa
mas se apenas uma pessoa souber, será ainda assim ...
:) ainda bem que não trocam :)
blogs SAPO
RSS