Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
O piolho viajante

Piolho-viajante-capa-250x354.png

 A história, narrada por um piolho, que viaja por 72 cabeças, relatando a vida e os vícios dos mais diferentes tipos sociais da sociedade portuguesa do final do século XVIII. Este viaja por uma série de cabeças das mais variadas, entre elas as de um estudante, uma cigana, um filósofo, um poeta, um ladrão, um camponês, um vendedor, um juiz, uma lavadeira, um boticário, além de dezenas de outras, todos com as suas “carapuças” tecidas, por vezes de forma impiedosa, pelo peculiar narrador.

 Sou piolho, mas o meu espírito é verdadeiro. Não sou capaz de lisonjear e também incapaz sou de levantar testemunhos. Sou um verdadeiro e hábil retratista.

 A obra humorística e satírica “O Piolho Viajante – Viagens em  Mil e Uma Carapuças” foi um dos livros mais lidos em Portugal no século XIX.

Lançado inicialmente em folhetos semanais, sob autor anónimo, que completam 72 “carapuças” – ou capítulos correspondentes à vida das pessoas cuja cabeça o piolho narrador visita e comenta – veio depois a ser publicado em 1821, com autoria atribuída a António Manuel Policarpo da Silva e tornou-se num verdadeiro “best-seller” na altura.

É uma obra incomum e, apesar disso, própria à época, dirigida a um público que tinha por gosto um tipo de literatura ligeira, sem grandes lirismos, que fizesse rir e entreter. Foi entre as camadas populares que os folhetos de O Piolho Viajante se notabilizaram, enquanto eram desprezados ou denegridos pela crítica e pelos homens letrados da época, talvez por acharem demasiado criticada a sua classe ou por acharem ser um tipo de obra dirigida à “arraia miúda”. No entanto, a crítica começa, hoje, a rever e mesmo a valorizar inúmeros aspectos da obra, como aqueles apontados por João Palma-Ferreira:

O bom senso utilitarista, o equilibro entre a sátira e a tendência para a descrição do pitoresco lisboeta (…), a preocupação moralista, o doseamento entre o real quotidiano e o fantástico (…), o desejo de “escapismo” para o universo das aventuras pícaras tardias (…) fazem desta obra um documento social, literário e moral de inexcedível interesse. (…) Uma facilidade de exposição de intrigas, de intersecção de numerosos episódios, de interpelação ao próprio autor e de estruturação de um autêntico livro de viagens no íntimo de obra de costumes (…) em suma, O Piolho Viajante, reconduzem-nos para o convívio de um dos mais ricos e desprezados setores da literatura portuguesa desde Gil Vicente a D. Francisco Manuel de Melo, desde os panfletários do século XVII aos esquecidos ironistas do século XIX, desde a Arte de Furtar às sátiras de Tolentino.

 



publicado por pimentaeouro às 22:14
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Sara Melancia a 17 de Dezembro de 2017 às 22:29
Vou ler! Adorei a ideia da história!


De pimentaeouro a 18 de Dezembro de 2017 às 10:19
Penso que não será fácil encontrar o livro, talvez nos alfarrabistas.
Boa sorte.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Robespierre

É urgente o Amor

Corsários e Piratas Portu...

Amigo António

Conversa com uma amiga

Faleceu Madalena Iglésias

Faleceu Madalena Eglesias

Tenho fases, como a Lua

Cantigas de escárnio e ma...

Defender criminosos

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

do Natal - Uma bruxa dife...

Apenas

Esperança

A rapariga que roubava fl...

Nada é em vão

De amor nua

links
últ. comentários
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
Obrigado.Desejo-lhe um bom Ano Novo.
Amigo João, Gostava tanto de transmitir-lhe um pou...
A esperança é a última coisa a perder!Há inovações...
Esta doença maldita, crónica, dói sempre não tem c...
Tudo tem uma razão de ser, logo há motivo(s) para ...
Obrigado.
Devemos sempre manter a força, mas custa encarar o...
Diz-se que não há fumo sem fogo. Não sabemos onde ...
Não conhecia a história, obrigada!
blogs SAPO
RSS