Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Terça-feira, 10 de Junho de 2014
O reverso das descobertas #2

A minha celebração

 

Hoje celebro Camões o poeta lírico, não celebro o épico. Não sei quantos católicos lêem a Bíblia nem quantos portugueses terão lido os Lusíadas.

Acontece que a leitura do poema épico não é fácil. Diversos escritores tentaram elaborar versões didácticas dos Lusíadas mas creio que tiveram pouco êxito.

Salazar utilizou o  nacionalismo explicito do poema e a exaltação da nossa história, como uma saga de heróis, para legitimar a conservação do Império Colonial e converteu a homenagem ao poeta como o dia de Camões e da raça.

Acontece que esta visão mitológica da nossa história ainda sobrevive sub-reptícia na nossa memória colectiva.

A epopeia das descobertas geográficas sintetizada no enunciado “demos novos mudos ao mundo” tem um reverso muito pesado de que pouco ou nada falamos.

Cada caravela que saia de Lisboa era uma sociedade anónima onde todos tinham uma quota de participação no saque ou no comércio, conforme as circunstâncias.

Vasco da Gama quando chegou à Índia explicou ao que ia: mandou matar cerca de 800 mulheres para que todos soubessem que era o novo dono dos negócios.

Para a moderna historiografia é ponto assente que as descobertas e a febre colectiva do ouro, contribuíram decisivamente para a nossa decadência e atraso económico, que ainda hoje estamos a pagar.

A Inquisição deu também uma ajuda: o combate contra qualquer manifestação de pensamento progressista, era acompanhado do respectivo saque ao património do réu sem direito a defesa.

Antero de Quental, nas “Conferencias Democráticas” referiu este problema em “Causas da Decadência dos Povos Peninsulares”.

Ainda hoje a obra de J. Lúcio de Azevedo “Épocas de Portugal Económico”, serve para ficarmos com uma ideia da ilusão colectiva que nos perseguiu durante cerca de três séculos, até ao estertor do ouro do Brasil.

Os diversos ciclos de riquezas, mais exageradas do que reais, serviram-nos para criar vícios de grandeza e ostentação enquanto o Norte da Europa, com destaque para Ingleses e Holandeses, se desenvolvia economicamente.

Fomos os «almocreves marítimos» que transportou os produtos que ajudaram a desenvolver o comércio da Europa, enquanto nós regredíamos na agricultura e nas manufacturas.

Os enormes progressos culturais e científicos que resultaram dos descobrimentos também nos passaram ao lado: a Inquisição encarregava-se de os manter à distância.

Tudo isto está explicado de forma muito redutora, por várias razões e se tiver oportunidade tentarei desenvolver um pouco mais alguns problemas da História que escondemos debaixo do tapete.

Uma coisa porém me choca e entristece neste reverso da saga dos descobrimentos: não inventamos a escravatura mas fomos os primeiros a industrializar o seu tráfico.

Depois de nós vieram outros (ingleses, holandeses, franceses alemães, etc.) que a praticaram numa escala bem menor do que a nossa e coube-nos a ignomínia de inaugurar o «negócio», ao ponto de não podermos viver sem ele.    

Eis muito toscamente porque motivo celebro o lírico do amor, dos sentimentos, do sofrimento em lugar da epopeia mítica, que distorce a realidade do nosso passado.

 

 



publicado por pimentaeouro às 00:25
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De RAA a 10 de Junho de 2014 às 17:13
Reflexão muito pertinente.


De pimentaeouro a 11 de Junho de 2014 às 21:46
A historiografia moderna já não é feita pelos monges de Coimbra.
Já não há mitos, santos, heróis e milagres.
Cumprimentos.


De A rapariga do autocarro a 12 de Junho de 2014 às 18:15
Aprendo imenso com o seu blogue, adoro os seus textos. Obrigada.


De pimentaeouro a 12 de Junho de 2014 às 22:02
Escrevo o que a vida me ensinou.
Obrigado pelo amável comentário.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Revolução de Outubro

lemures

Ontem aqui tão perto

Uma ideia péssima

Infância

Deus ?

O país está depressivo

Agnus Dei

Tieta do Agreste

Painéis de S. Vicente de ...

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Tempo

Vidas

Idades

Carrossel

Águas-furtadas

Farol

Cada passo

Só verão

Rouxinol

Tormenta

links
últ. comentários
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
Estranho o ódio e as guerras entre povos que defen...
Nunca tomei nenhum, mas se precisasse e se me pude...
Caro João,Fiz um link para o seu blog convidando-o...
Cada dedo das mãos e dos pés é uma dezena .
As crónicas não dizem muito sobre o lado escuro de...
Pertinente em altura de eleições...
Vou ficar atenta!
Cá pelas nossas bandas são bem mais que 40
Vou editar a biografia de todos os reis de Portuga...
blogs SAPO
RSS