Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2016
O século XX português #1

 

 

O meu século é o século XX português muito diferente do século XX do mundo Ocidental, que mudou o mundo. O meu século foi de estagnação, conservadorismo, isolamento do mundo enquanto o mundo Ocidental viveu o melhor e o pior que a humanidade alguma vez teve: conquistas sociais e cientificas  únicas na história da humanidade, massacres, genocídios e o Holocausto.

Paradoxalmente, segundo alguns historiadores foi no século XX que Portugal teve as maiores transformações da sua  história secular.

Quando eu nasci Salazar tinha acabado de criar as instituições que iriam servir de suporte à sua longa ditadura: criação da União Nacional, partido único e proibição dos partidos políticos; Constituição de 1.933 que servia de enquadramento legal ao regime; criação da Policia política depois rebaptizada de PIDE; criação do Secretariado de Propaganda Nacional e instituição da censura da comunicação Nacional, o famoso l+apis azul; criação das Corporações onde patrões e empregados fariam a conciliação dos seus interesses sem luta de classes e finalmente a Acção Católica Portuguesa negociada entre Salazar e a Conferência Episcopal portuguesa.

Na sociedade os valores eram as virtudes cristas da pobreza, da humildade, da modéstia, da resignação e da obediência; na família o homem era o pater famílias a que todos deviam obediência, a começar pela mulher; os valores do regime eram Deus, Pátria e Família, Tudo pela Nação, nada contra a Nação.

O projecto de Salazar visava a regeneração nacional, os valores tradicionais e moralizadores da sociedade e das mentalidades, engenharia social como preconizavam os regimes totalitários da época. Salazar era um homem do século XIX, ex seminarista, conservador, antidemocrático, o caos da I República influenciou a sua visão da política, e profundamente anticomunista.

Foi esta a sociedade em que cresci, que formou a minha adolescência e mocidade e só quando cheguei aos trinta anos comecei a tomar consciência da sociedade em que vivia.


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 21:48
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Engels

O brinco da tua orelha

Cantico negro

Homo erctus

Anos 60

O pai da História

Há mais vida algures

Florbela

De onde venho?

Júlio Verne

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Meu amor

Dilemas

A poesia

Volta e meia

Interrogação

Apatia

O que resta

A correr

Guarda-jóias

Feliz Natal

links
últ. comentários
E faz mesmo. Obrigada.😙
Faço a minha parte para evitar o esquecimento.
"é bom não esquecer"
Uma descrição de algo que felizmente já não é freq...
Um tinto Alentejano também...!
Tem razão, Gandhi tinha um lado negro que também d...
Pois, parece que era muito bom homem mas parece qu...
Obrigada por nos trazer sempre temas deveras inter...
As inovações levam tempo a ser aplicadas de forma ...
blogs SAPO
RSS