Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 5 de Fevereiro de 2017
Para onde vou?

O homem sobreviveu até aqui porque era demasiado ignorante para realizar os seus desejos. Agora que pode realizá-los, deverá, ou reformulá-los, ou perecer.

William Carlos Williams (1883-1963)

 

 

Sou um em 6 mil milhões, numa casa cada dia mais pequena, desorganizada e perigosa. Sou apenas uma gota de água num enorme oceano.

Que sei eu do mundo e da vida? Pouco mais que nada. De predador para sobreviver  passei a destruidor e poluidor para consumir. Até quando? Pouco falta para começar a lutar pelas coisas mais básicas como a água e o pão.

Quanto mais tecnologia invento mais me  afasto da natureza que me gerou e do convívio social que faz parte da minha natureza. Não sei o sentido da mudança nem para onde me conduz e tudo o que construi é grande demais para a minha pequena dimensão. Aliás, a vida não tem e nunca teve sentido, apenas sei do seu fim anunciado.

De todos os perigos que me ameaçam; esgotamento dos recursos naturais, poluição generalizada, alterações climáticos, os arsenais de material de guerra são o perigo número um.

Como os habitantes da ilha de Páscoa, já iniciei o caminho do não retorno.

Nada disto saiu da minha cabeça, é o que me revela o saber acumulado.



publicado por pimentaeouro às 20:14
link do post | comentar | favorito (2)
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Perplexo

Flamenco #3

Guantanamera

S. Pedro zangado

Flamenco #2

Ciro II

Ricos e pobres

Reformar, reformar

Flauta de pan

A EMEL é fel

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

férias

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Gosto imenso!
Esperemos que não fique zangado muito mais tempo.....
E uma metáfora do nosso país. Temos muitos pobres ...
Não resistem...
Será que existirá sempre este fosso enorme?
Os casos que refere são excepções que não traduzem...
Mas nos anos 50/60 já havia por cá mulheres que ti...
Não há melhor.
blogs SAPO
RSS