Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 31 de Julho de 2016
Para uma amiga
 

 

 

 Todos os mamíferos quando nascem precisam de um período de aprendizagem de duração variável. Os humanos são um caso à parte: como durante milhões de anos o cérebro foi aumentado, a natureza teve de inventar um expediente para que mãe e bebé não morressem no parto: nascem prematuros e a sua aprendizagem é a mais longa, se não forem ensinados e alimentados morrem.

Os humanos criaram uma segunda natureza cultural que se sobrepôs à primeira e necessitam de ser socializados. Somos gregários e não sobrevivemos fora de qualquer sociedade que tenhamos construído ao longo de milénios.

O «bom selvagem» não existe e ninguém nasce puro ou impuro, a vida é que tece esses percursos: a natureza é neutra, a sociedade é que cria sentidos para a vida, bons e maus.

Também não estou nada satisfeito com a educação que recebi (no tempo de Salazar) e com o pouco ensino que me deram. Lentamente fui abrindo os olhos para os sentidos da vida e o acaso desempenhou o papel principal.

A minha vida foi atípica, aconteceram-me coisa fora do tempo e sem jeito: estava mal preparado – equipado – para muitas coisas. Não pude escolher, mas se pudesse gostaria de ter nascido noutra época, algures no século XVII: a vida era mais calma.

 


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 15:40
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De redonda a 1 de Agosto de 2016 às 01:10
Eu quereria viver nos próximos séculos para saber como seria (excepto se não chegarmos lá)


De entre aspas a 6 de Agosto de 2016 às 20:59
Gostei do que li, da forma como encara a vida e como vê o mundo que o rodeia.
A vida é mesmo atípica e nós temos que estar preparados para ela. Viva o hoje... com a calma e serenidade possíveis.
Voltarei para ler mais do que aqui deixa escrito.


De pimentaeouro a 7 de Agosto de 2016 às 18:53
Foi tudo aprendido a minha conta, de certa forma sou um pìcaro mal disfarçado...
Agradeço o seu amável comentário.
Também gostei do seu blogue, da sua escrita e independência.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Nefertiti

Envelhecer

Nau catrineta #2

Amigo dos animais

Solidariedade

Rainha do Sul

Calamidade

As mil e uma noites

Nunca saberei

Não se troca

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
O problema é outro, o António tem a mobilidade red...
Estando ele a sentir-se mal, podem ter tido de ir ...
A mulher podia abrir a porta.
Que pena. Talvez ele não tenha vindo por se ter se...
Acho que sim.
Não sabia que existia uma praia assim na Europa
mas se apenas uma pessoa souber, será ainda assim ...
:) ainda bem que não trocam :)
uma enciclopédia.
blogs SAPO
RSS