Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Sexta-feira, 11 de Novembro de 2016
Sobreviventes

Restamos cinco: o António Gonçalves, o Catalão, o Henrique, o Chico e eu. Cada um de nós tem estados de saúde diferentes, os que estão com mais problemas são o António Gonçalves e o Catalão.

São amizades de há sessenta anos que resistiram à erosão do tempo e não se deixaram cair no esquecimento.

Éramos o grupo de xadrez do saudoso Café Esperança, na Av. Luísa Tody, onde «queimávamos» noites à volta dos tabuleiros. Umas vezes perdíamos, outras ganhávamos, sem rivalidades, em alegre convívio comentado e rindo das asneiras que cada um cometia.

Depois eram os passeios noturnos pela cidade adormecida e mal iluminada em cavaqueira divertida. Eramos todos joves e, paradoxalmente, naquelas divagações nocturnas não entravam relatos de «conquistas» nem a corte a raparigas da nossa idade.

Passaram alguns anos e fomo-nos dispersando conforme os empregos que arranjávamos: entravamos na mocidade, na vida activa e nos casamentos. Cada um de nós fez o seu percurso de vida e guardou na memória e nos afectos os anos dourados da adolescência. É uma recordação agradável que ainda hoje nos une.

Os nossos encontros (almoços) vão sendo mais espaçados conforme as agruras de cada um. Dos que partiram, o mais saudoso é o Ventura, tranquilo, afável e o mais inteligentes de todos nos.

Não tínhamos televisão,  computadores, Internet, telemóveis, etc. Tínhamos convívio, amizades sinceras e solidariedade.

O passar das gerações deveria ter feito melhores jovens, mais educados, mais cultos, com melhores relações interpessoais.

O velho Café Esperança desapareceu e no seu lugar está um... uma loja Mac Donald e é  com amargura que sou obrigado a dizer que a juventude que por lá passa não é melhor do que a da minha época, pelo contrário.

 


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Guantanamera

S. Pedro zangado

Flamenco #2

Ciro II

Ricos e pobres

Reformar, reformar

Flauta de pan

A EMEL é fel

Aurora boreal

No meu tempo #2

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

férias

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Esperemos que não fique zangado muito mais tempo.....
E uma metáfora do nosso país. Temos muitos pobres ...
Não resistem...
Será que existirá sempre este fosso enorme?
Os casos que refere são excepções que não traduzem...
Mas nos anos 50/60 já havia por cá mulheres que ti...
Não há melhor.
um excelente estado de alma!
blogs SAPO
RSS