Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Terça-feira, 12 de Abril de 2016
Um sonho

Resultado de imagem para flores hortensias

 

Os desejos podem concretizar-se através de sonhos? Isso não será uma ilusão?

Hoje, somos dois velhos que pouco tem em comum, dois desconhecidos sem nada para dizer um ao outro. As nossas vidas cruzaram-se há cerca de 60 anos, num amor breve. Porque nos separamos definitivamente, ainda hoje é um enigma para mim. Perdi o que mais necessitava, o teu amor, e cometi um dos maiores erros da minha vida. 

 

Necessitava  de amor, de uma família de filhos, tudo a que poderia aspirar.

Perdi, também, o remédio para a da minha intranquilidade que a tua ternura e serenidade podiam dar-me. O sonho de muitos anos concretizou-se ontem à noite sem que possa imaginar porque me aconteceu.

O sonho era uma mistura de passado e presente, de realidade e irrealidade. Conversei com o teu pai, já falecido, e perguntei-lhe se ainda se lembrava de mim. Depois disse-lhe que tinha sido teu namorado.

O real e o sonho confundem-se: falo com um dos teus dois filhos (no sonha eram cinco), jovem e muito louro. Pergunto-lhe também se já tinha ouvido falar de mim.

Em tua casa todos sabem que regressei a Torres Novas. Vozes que não identifico dizem-me que te pressionaram para o namoro acabar.

Entro no teu quarto. Estavas bela, como na juventude, com o teu sorriso meigo e tranquilo. Dirijo-me  para ti: choro e digo meu Deus, Fernanda, como foi possível encontrar-te?

O meu grande desejo de velho concretizou-se num sonho. À memória do meu amor acrescento o sonho de um encontro que não se realizará.

 

 


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 13:43
link do post | comentar | favorito
|

7 comentários:
De redonda a 13 de Abril de 2016 às 00:53
Já tive sonhos assim (comigo foram ao mesmo tempo doces e tristes, reencontrava o J e sentia-me culpada por não ter estado com ele o tempo que tinha passado)
um beijinho
Gábi


De Ametista a 13 de Abril de 2016 às 20:58
Bonito, mas imensamente triste. Deixou-me a pensar... e pergunto ao destino a razão das separações, mas não obtenho resposta.
Amigo João, o amor é um drama quando verdadeiro. E a vida faz questão de ironizar. O que nos espera? Desejo que se dêem reencontros...

Grande abraço


De pimentaeouro a 14 de Abril de 2016 às 20:26
Cara amiga Leonor,
O acaso tem mais influencia nas nossas vidas do que pensamos e não dá resposta às nossas dúvidas e angústias, e omnisciente.
O amor é fogo que arde sem se ver, aparece sem nos avisar e retira-se sem pedir autorização, já foram dadas mil e uma definições do amor e eu não tenho nenhuma; amar e ser amado é tudo que desejamos, banalidades que todos sabem.
Quanto à tristeza, acompanha-me desde que me conheço, desde a infância e habituei-me a viver com ela.
Com pouca prudência , adiei várias coisas para realizar quando estivesse reformado mas a reforma cortou-me as pernas. Nunca imaginei que a minha velhice fosse tão amarga e dolorosa, tão triste, mais uma vez.
O tempo dos reencontros já passou.


De ónix a 21 de Abril de 2016 às 20:55
Olá João
Pedindo desculpa pela longa ausência li e reli este post que carrega por si só grande carga dramática que nos faz meditar... meditar na vida, nos desencontros, nas separações, nas ausências, no destino...e é com igual tristeza que lamento não nos termos encontrado para o tal café. Foi o tal destino? Não sei...mando-lhe um grande abraço carregado de carinho.


De pimentaeouro a 22 de Abril de 2016 às 20:27
Cara amiga
Escrevo como se estivéssemos à mesa e um café a conversar e conto com a sua paciência para me escutar.
Penso que o post Acaso responde, em parte, às suas interrogações.
Tive uma infância trister – orfão de pais vivos, uma história complicada – e uma adolescência difícil ; a mocidade vivia em Torres Novas e foi um tempo de alegrias e de solidão. Foi o tempo dos meus primeiros amores, ambos falhados, e tive a sorte de fazer parte de um grupo de jovem da minha idade, com duas excepções, que foram bons amigos. Ainda hoje recordo esse grupo com muita saudade, alguns desses amigos já faleceram, o Canais Rocha, o Fernando Canais, o meu homónimo Gonçalves, empregado do Simões da loja de fotografias e outros cujo nome não me ocorre.
Recordo Torres Novas com sentimentos contraditórios, a felicidade efémera do amor da Fernanda e da Julieta e a tristeza da solidão que se seguiu àqueles amores; com frequência a felicidade acontece no passado e não volta a repetir-se.
Apesar dos 80 anos são recordações que ainda não se apagaram num final de vida onde a memória de longo prazo vai transformando numa névoa , onde a vida vai ficando depovoada.
A hipótese de voltar a Torres Novas depende do estado de saúde da minha mulher que infelizmente não tem melhorado. Assim, também ficará por concretizar o desejo de tomarmos um café e de reencontrar velhos amigos.
Termino, agradecendo as suas confortantes palavras e retribuo com um grande abarco br> Leonor,


De ónix a 27 de Abril de 2016 às 20:17
Lamento o estado de saúde da sua mulher, lamento nem sempre ter sido feliz ao longo da sua vida...mas esta malandra muitas vezes é ingrata...mas quem sabe se o tal café nos espera, um dia destes.
Grande Beijinho. Sinceras melhoras.


De pimentaeouro a 28 de Abril de 2016 às 21:41
Na minha vida também ouve uma fase gratificante. Entre os 35 e os 60 anos tive uma vida profissional com autonomia e algum bem estar. O casamento com a minha mulher Manuel também foi gratificante e tivemos uma vida boa até adoecer. Sinto muito a falta da sua alegria de viver e da sua ternura.
Algumas vezes faço o balanço do que vivi, foi bom e foi mau como acontece à maior parte das pessoas.
Se o tal café acontecer será uma desejo realizado.
Um grande abraço e obrigado pela paciência em me escutar.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Portugal envelhece

Era perigoso pensar

Tratam-nos da saúde

Mais do que provável

Hava Nagila

O Mal

Tango da Velha Guarda

Dracula

Italiano Vero

Viagens intergalaxias

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

férias

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Hoje o dia está bom para estrelar ovos.
E os poucos temos emigram...
E matéria que conheço mal, não posso pronunciar-me...
Embora eu duvides dos números...:https://www.dinhe...
Pois, mas num cenário de muitas centenas de milhar...
É muito provável que o homem se auto destrua.Para ...
"A nossa espécie, se não se autodestruir, extingui...
E triste mas têm clientes.
E de vez em quando lá encontro em carrinho papeis/...
Será uma grande viagem, fica no norte da India.Bom...
blogs SAPO
RSS