Conhece-te a ti mesmo... se puderes.

Sexta-feira, 9 de Junho de 2017
Vasco Santana

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:31
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 3 de Novembro de 2015
Homenagem falhada

Cinco Dias, Cinco Noites

 

Cinco dias, cinco noites foi o filme escolhido pela TV1, baseado num livro medíocre da Álvaro Cunhal, para homenagear José Fonseca e Costa. Não percebi o filme de que vi quase dois terços.

Tirando a cena inicial com uma bela reconstrução dos anos quarenta, algures numa aldeia de Trás-os-Montes, o filme arrasta-se penosamente por serras, montes e vales de deslumbrantes paisagens com abundantes florestas, cuja travessia é cheia de obstáculos.

André, um jovem de 19 anos contrata um «passador», de pouquíssimas falas, que o conduzirá, fugindo à guarda e à polícia política, até a fronteira de Espanha. As relações entre ambos são tensas porque o jovem desconfia que este o quer roubar mas posteriormente os dois homens acabam por se admirar mutuamente: como trama do romance é tudo e é muito pouco.

Diálogos muito curtos em duas casas pobres, pontos de apoio na rota do «passadores», em duas aldeias igualmente pobres. Tirando a beleza das paisagens, o filme é de uma confrangedora monotonia: não é o J.F.C. exímio contador de histórias, em lugar de arte é política, filme estragado.

Não terá sido por acaso que Álvaro Cunhal durante mais de duas décadas ocultou a autoria do livro.

Tendo uma fasta galeria de bons filmes de J.F.C., para escolher, em lugar de uma homenagem, a TV1 fez uma sabotagem: José Fonseca e Costa merecia muito mais.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 18:42
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Novembro de 2015
Estamos mais pobres

Morreu José Fonseca e Costa

Realizador faleceu esta manhã aos 82 anos

O cineasta José Fonseca e Costa faleceu hoje de manhã, confirmou à Lusa o produtor Paulo Branco, que estava a produzir o último filme do realizador, Axilas, baseado num conto do escritor Ruben da Fonseca.

A notícia foi avançada pelo Expresso, segundo o qual o realizador morreu hoje de manhã no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, de uma pneumonia, na sequência de uma pré-leucemia.

 

José Fonseca e Costa nasceu no Huambo, em Angola, a 27 de junho de 1933, e mudou-se para Lisboa em 1945.

Entre 1951 e 1955 frequentou o curso de Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, que não terminou para se dedicar às atividades cinematográficas.

Membro da direção do Cineclube Imagem, fez crítica de cinema nas revistas Imagem e Seara Nova. Traduziu para português livros de teoria cinematográfica da autoria de Eisenstein, Guido Aristarco e alguns romances, entre eles, Il Compagno de Cesare Pavese e Passione di Rosa de Alba de Cespedes.

Concorrente ao lugar de assistente de realização da RTP (à data da sua fundação) foi impedido de entrar nos quadros da empresa por interferência da Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), embora tenha ficado classificado em primeiro lugar.

Em 1960 foi-lhe recusada uma bolsa de estudo, solicitada ao Fundo do Cinema Nacional, para frequência de um curso de cinema no estrangeiro e, novamente por informação da PIDE, em cujas prisões foi encarcerado por atividades de oposição política à ditadura.

Iniciou a sua formação profissional estagiando em Itália, por volta de 1961, onde trabalhou com Michelangelo Antonioni no filme L'Eclisse (O Eclipse).

De regresso a Portugal, em 1964, produziu e dirigiu centenas de filmes publicitários e alguns documentários industriais e turísticos, atividade que interrompeu a partir dos anos 1970, quando dirigiu o seu primeiro filme de ficção (A Metafísica do Chocolate, 1967).

É um dos cineastas do movimento do Novo Cinema em Portugal. Seguem-se O Recado (1972), Os Demónios de Alcácer Quibir (1977) e Kilas o Mau da Fita (1981).

Foi sócio fundador e dirigente, nos anos 1960, do Centro Português de Cinema e, mais recentemente, da Associação de Realizadores de Cinema e Audiovisuais, de cuja primeira direção foi presidente.

Em 1998, foi nomeado para representar o Ministério da Economia no recém-criado Conselho Superior do Cinema, do Audiovisual e do Multimédia, onde nunca chegou a exercer funções.

Foi eleito para o Conselho de Opinião da RTP em sessão da Assembleia da República realizada a 2 de novembro de 2000.

Dedicava a sua atividade ao ensino universitário de disciplinas cinematográficas, à escrita de crónicas jornalísticas e de argumentos dos seus filmes.

Depois de Cinco Dias, Cinco Noites (1996), filme premiado no Festival de Gramado, nos Globos de Ouro em Portugal e selecionado para o Montreal World Film Festival, Fonseca e Costa assinou ainda O Fascínio (2003) e Viúva Rica Solteira Não Fica (2006), seus mais recentes trabalhos.

A 09 de outubro de 2014, a Academia Portuguesa de Cinema atribuiu-lhe o prémio de carreira.

 

P.S.

As referencias culturais do meu século já desapareceram quase todas.


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 13:34
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2014
Presente de Natal

 


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 20:40
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 30 de Novembro de 2014
Vénus Negra

Em 1810 existia em Londres um bairro onde eram apresentados shows de horrores com participações de anões, mulheres barbadas e outras atrações consideradas bizarras pelo povo na época. Dentre elas estava Saartjie Baartan, uma empregada doméstica africana de 25 anos que foi levada à Inglaterra pelo seu patrão Hendrick Caesar, que decidiu ganhar dinheiro apresentado-a publicamente como a selvagem Vênus Hotentote. Saartjie pertencia à tribo dos hotentotes, cuja característica predominante era o acúmulo de gordura nas nádegas e o chamado "avental hotentote", uma anomalia na região genital.

Ela fazia seu show dentro de uma jaula, com uma roupa que mais expunha do que escondia seu corpo e, instigada por seu "dono", dançava, atacava a plateia e era ridicularizada. Quando autoridades locais começaram a investigar e acusar Caesar de escravidão, eles foram embora para Paris. Lá, Saartjie passou não apenas a ser apresentada publicamente como uma criatura abominável, obrigada a participar de shows eróticos, mas também a se prostituir.

 

É esta história triste e verídica que o diretor e roteirista franco-tunisiano Abdellatif Kechiche (O Segredo do Grão) conta em seu Vênus Negra (Venus Noire, 2010), exibido no último Festival de Veneza e provavelmente um dos filmes mais chocantes do ano. Pesado e com longas cenas ininterruptas que mostram a horrível exposição pela qual Saartjie era vítima, é quase uma tortura assisti-lo. Mesmo assim, prende o espectador durante suas 2h40 de duração.

O grande destaque de Vênus Negra é a estreante atriz cubana Yahima Torres. Assim como a verdadeira Saartjie, ela tem seu corpo exposto na tela durante quase todo o filme e sua expressão é de apatia. Apenas em dois momentos sua personagem chora, em cenas que emocionam.

O questionamento por trás do roteiro é "até onde vai a curiosidade e a exploração humana perante algo ou alguém considerado fora dos padrões?". A história da Vênus Hotentote se passou no século XIX, mas a dúvida é pertinente também aos dias de hoje. Claro que não existem mais shows de horrores nas ruas, mas a nossa exploração da morbidez resiste You Tube afora. É impossível não manter os olhos fixos em Saartjie Baartan. Vênus Negra tenta entender a linha tênue que separa o curioso do humilhante.

 

P.S.

A República da Africa do Sul prestou-lhe homenagem postoma e em 2.002 o que restava do seu corpo e objecto relacionados com ela foram estraditados para a sua pátria.


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 23:39
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 8 de Maio de 2014
Chaplin

tags: ,

publicado por pimentaeouro às 22:09
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Vasco Santana

Homenagem falhada

Estamos mais pobres

Presente de Natal

Vénus Negra

Chaplin

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS