Conhece-te a ti mesmo... se puderes.

Terça-feira, 14 de Novembro de 2017
Não há jantar para todos

desero.jpg

 

Cientistas reunidos fazem um aviso à humanidade:

É no futuro também não haverá pequeno-almoço. Como somos muito menos inteligentes do que pensamos iremos esgotar os recursos da Terra, o único planeta que temos.

A ficção da  colonização de outros planetas não passa de isso mesmo, ficção irrealista.

Não irá ser um final feliz, pelo contrário, iremos ter guerras para disputar alimentos, àgua... e um lugar à sombra. Só um lunático como Donald Trampe pensa que é uma conspiração dos chineses.

Os que morrerem serão muito menos infelizes dos que os que sobreviverem ... com os dias contados.

Pessimista eu? Era bom que fosse.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 6 de Outubro de 2017
Relógio avariado

 

images.jpg

  

6 de Outubro, 32 graus em Lisboa e Beja chegará ao 35 graus. Avariamos e relógio do clima e já não tem retorno: secas, diminuição de água nos rios e nas barragens, pragas nos campos. Qualquer dia lutaremos pela posse da àgua que continuará a escassear.


tags:

publicado por pimentaeouro às 21:49
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
Ciclo do carbono

O Efeito Estufa é a forma que a Terra tem para manter sua temperatura constante. A atmosfera é altamente transparente à luz solar, porém cerca de 35% da radiação que recebemos vai ser refletida de novo para o espaço, ficando os outros 65% retidos na Terra. Isto deve-se principalmente ao efeito sobre os raios infravermelhos de gases como o Dióxido de Carbono, Metano, Óxidos de Azoto e Ozônio presentes na atmosfera (totalizando menos de 1% desta), que vão reter esta radiação na Terra, permitindo-nos assistir ao efeito calorífico dos mesmos.

Nos últimos anos, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera tem aumentado cerca de 0,4% anualmente; este aumento se deve à utilização de petróleo, gás e carvão e à destruição das florestas tropicais. A concentração de outros gases que contribuem para o Efeito de Estufa, tais como o metano e os clorofluorcarbonetos também aumentaram rapidamente. O efeito conjunto de tais substâncias pode vir a causar um aumento da temperatura global (Aquecimento Global) estimado entre 2 e 6 ºC nos próximos 100 anos. Um aquecimento desta ordem de grandeza não só irá alterar os climas em nível mundial como também irá aumentar o nível médio das águas do mar em, pelo menos, 30 cm, o que poderá interferir na vida de milhões de pessoas habitando as áreas costeiras mais baixas. Se a terra não fosse coberta por um manto de ar, a atmosfera, seria demasiado fria para a vida.
 

 

As condições seriam hostis à vida, a qual de tão frágil que é, bastaria uma pequena diferença nas condições iniciais da sua formação, para que nós não pudessemos estar aqui discutindo-a.

O Efeito Estufa consiste, basicamente, na ação do dióxido de carbono e outros gases sobre os raios infravermelhos refletidos pela superfície da terra, reenviando-os para ela, mantendo assim uma temperatura estável no planeta. Ao irradiarem a Terra, parte dos raios luminosos oriundos do Sol são absorvidos e transformados em calor, outros são refletidos para o espaço, mas só parte destes chega a deixar a Terra, em consequência da ação refletora que os chamados "Gases de Efeito Estufa" (dióxido de carbono, metano, clorofluorcarbonetos- CFCs- e óxidos de azoto) têm sobre tal radiação reenviando-a para a superfície terrestre na forma de raios infravermelhos.

Desde a época pré-histórica que o dióxido de carbono tem tido um papel determinante na regulação da temperatura global do planeta. Com o aumento da utilização de combustíveis fósseis (Carvão, Petróleo e Gás Natural) a concentração de dióxido de carbono na atmosfera duplicou nos últimos cem anos. Neste ritmo e com o abatimento massivo de florestas que se tem praticado (é nas plantas que o dióxido de carbono, através da fotossíntese, forma oxigênio e carbono, que é utilizado pela própria planta) o dióxido de carbono começará a proliferar levando, muito certamente, a um aumento da temperatura global, o que, mesmo tratando-se de poucos graus, levaria ao degelo das calotes polares e a grandes alterações a nível topográfico e ecológico do planeta.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:08
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 23 de Setembro de 2017
Ciclo do carbono

ciclo do carbono.jpg

                  ( Já demos cabo dele )

 

O Efeito Estufa é a forma que a Terra tem para manter sua temperatura constante. A atmosfera é altamente transparente à luz solar, porém cerca de 35% da radiação que recebemos vai ser refletida de novo para o espaço, ficando os outros 65% retidos na Terra. Isto deve-se principalmente ao efeito sobre os raios infravermelhos de gases como o Dióxido de Carbono, Metano, Óxidos de Azoto e Ozônio presentes na atmosfera (totalizando menos de 1% desta), que vão reter esta radiação na Terra, permitindo-nos assistir ao efeito calorífico dos mesmos.

Nos últimos anos, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera tem aumentado cerca de 0,4% anualmente; este aumento se deve à utilização de petróleo, gás e carvão e à destruição das florestas tropicais. A concentração de outros gases que contribuem para o Efeito de Estufa, tais como o metano e os clorofluorcarbonetos também aumentaram rapidamente. O efeito conjunto de tais substâncias pode vir a causar um aumento da temperatura global (Aquecimento Global) estimado entre 2 e 6 ºC nos próximos 100 anos. Um aquecimento desta ordem de grandeza não só irá alterar os climas em nível mundial como também irá aumentar o nível médio das águas do mar em, pelo menos, 30 cm, o que poderá interferir na vida de milhões de pessoas habitando as áreas costeiras mais baixas. Se a terra não fosse coberta por um manto de ar, a atmosfera, seria demasiado fria para a vida.
 

 

As condições seriam hostis à vida, a qual de tão frágil que é, bastaria uma pequena diferença nas condições iniciais da sua formação, para que nós não pudessemos estar aqui discutindo-a.

O Efeito Estufa consiste, basicamente, na ação do dióxido de carbono e outros gases sobre os raios infravermelhos refletidos pela superfície da terra, reenviando-os para ela, mantendo assim uma temperatura estável no planeta. Ao irradiarem a Terra, parte dos raios luminosos oriundos do Sol são absorvidos e transformados em calor, outros são refletidos para o espaço, mas só parte destes chega a deixar a Terra, em consequência da ação refletora que os chamados "Gases de Efeito Estufa" (dióxido de carbono, metano, clorofluorcarbonetos- CFCs- e óxidos de azoto) têm sobre tal radiação reenviando-a para a superfície terrestre na forma de raios infravermelhos.

Desde a época pré-histórica que o dióxido de carbono tem tido um papel determinante na regulação da temperatura global do planeta. Com o aumento da utilização de combustíveis fósseis (Carvão, Petróleo e Gás Natural) a concentração de dióxido de carbono na atmosfera duplicou nos últimos cem anos. Neste ritmo e com o abatimento massivo de florestas que se tem praticado (é nas plantas que o dióxido de carbono, através da fotossíntese, forma oxigênio e carbono, que é utilizado pela própria planta) o dióxido de carbono começará a proliferar levando, muito certamente, a um aumento da temperatura global, o que, mesmo tratando-se de poucos graus, levaria ao degelo das calotes polares e a grandes alterações a nível topográfico e ecológico do planeta.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:13
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Junho de 2017
Alterações do clima

Resultado de imagem para tempestade

 

Tramp diz que é uma invenção dos chineses, como eu gostava que tivesse razão. Cito o jornal Público de hoje: Hoje, 21 de Junho, devia começar o verão mas devido a um acontecimento meteorológico nunca antes visto, que só vai revelar-se no dia 17 de Julho, este verão chega o inverno.

A noticia não esclarece se teremos inverno até... ao inverno, seja como for é preocupante.


tags:

publicado por pimentaeouro às 19:24
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 1 de Abril de 2017
Cá se fazem, cá se pagam

Veja o que acontece aos oceanos à medida que o aquecimento global intensifica

Neste site é possível ver até onde é que água vai galgar à medida que o nível médio das águas vai aumentando. Em Portugal, prevê a comunidade científica, várias cidades serão inundadas.

tek oceanos

  

Não é novidade nenhuma. O nível médio dos oceanos está a aumentar e se as temperaturas continuarem a aquecer à velocidade atual, derretendo o gelo das calotas polares, não deverá demorar muito até que algumas cidades sejam inundadas, destruindo quilómetros quadrados de área urbana e desalojando pessoas.


tags:

publicado por pimentaeouro às 20:26
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Setembro de 2016
Vamos ficar torrados

Agosto foi o mês mais quente no planeta desde há 136 anos

Há onze meses consecutivos que se verificam recordes mensais de temperatura média global

O mês de agosto foi o mais quente do ano a nível global desde há 136 anos, igualando o valor de julho, segunda a NASA, revelou hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).


tags:

publicado por pimentaeouro às 22:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 13 de Agosto de 2016
Pirómanos globais

Dentro de 4.000 milhões de anos quando o Sol implodir e se tornar numa gigante vermelha a Terra será engolida por um braseiro cósmico, mas o homem não quer esperar tanto tempo.

Procura-se petróleo nos quatro cantos do mundo, fazem-se pesquisas no mar a 4.000 metros de profundidade, os EUA, a Rússia e outros países ocidentais já iniciaram a corrida à apropriação de territórios no Arctico; aguarda-se ansiosamente o degelo completa do Polo Norte para iniciar-se a pesquisa de petróleo a gás natural, Ninguém quer perder uma gota de petróleo para o vizinho.

E sede de petróleo e o correspondente aumento da emissão de dióxido de carbono desencadeará alterações climáticas devastadoras; calor excessivo, incêndios incontroláveis, chuvas torrenciais, etc.

É o Apocalipse sem remissão pela não do homem.

 


tags:

publicado por pimentaeouro às 16:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Agosto de 2016
Clima

 

Avariamos o relógio, já não tem volta. Provavelmente morreremos num deserto escaldante.


tags:

publicado por pimentaeouro às 16:53
link do post | comentar | favorito (1)
|

Sábado, 28 de Novembro de 2015
O calor mata

Glaciar Grey perdeu 19 quilómetros quadrados nos últimos 30 anos

 

 

O glaciar é um dos espetáculos naturais mais impressionantes do Parque Nacional Torres del Paine, no sul do Chile

O glaciar Grey, no sul do Chile, perdeu 19 quilómetros quadrados de gelo nos últimos 30 anos, devido ao aumento da temperatura, segundo um investigador.

"Esta perda de massa deve-se à quantidade de desprendimentos de gelo e ao elevado derretimento pelo aumento da temperatura", explicou o investigador Andrés Rivera, do Centro de Estudos Científico do Chile, citado pela agência de notícias EFE.


tags:

publicado por pimentaeouro às 19:46
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 27 de Dezembro de 2014
Folha caduca

 

Deveria ter caído em Outubro, no início do Outono, mas como bichos, arvores e plantas, estão desorientados com as alterações do clima, as árvores de folha caduca estão a despir-se em Dezembro, quase no inicio da Janeiro.

Isto tem um custo, não sabemos qual nem que efeitos terá, mas tem. Mais dia menos dia aparecerá a factura.



publicado por pimentaeouro às 12:38
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sábado, 10 de Maio de 2014
PESSIMISTAS E OPTIMISTAS

 

OU O AQUECIMENTO DO PLANETA

 

Os pessimistas são de opinião que a humanidade desaparecerá da face da terra dentro de 100 a 150 anos. Os optimistas pensam que isso só ocorrerá dentro de 200 a 250 anos...

Não se trata de uma piada , trata-se da análise feita por diversos cientistas de renome internacional. Recentemente o site Yahoo Answers na sua iniciativa «Pergunte ao Planeta» convidou individualidades de diversas áreas a pronunciarem-se sobre o futuro da humanidade. O conhecido físico Stephen Hawking colaborou na iniciativa e convidou os cibernautas a responderem à  sua pergunta: “ Num mundo em caos político, social e ambiental, como poderá a humanidade sobreviver outros cem anos?» (a própria pergunta estabelece um limite temporal). Na opinião de Hawking os principais perigos são os seguintes:

 

  • guerra nuclear,
  • alterações climáticas (a continuação de emissões de CO2 pode ultrapassar um limiar critico a partir do qual o aumento de temperatura se sustenta a si próprio),
  • cada vez que aumentamos o nosso poder tecnológico, acrescentamos novas possibilidades de desastre,

 

“Estamos a derrubar árvores em toda a parte, a pescar em toda a parte, a irrigar em toda a parte, a construir em toda a parte, e não há canto da biosfera que escape à nossa hemorragia de desperdício”.

 “Mas por quanto temo podemos suportar uma fornalha de consumo tão frenética que o lado escuro do planeta brilha como um tição na noite escura do espaço” [1]

Durante cerca de um milhão e setecentos mil anos (1.700.000.000) a humanidade viveu no Paleolítico, ao ritmo da caça e da recolecção, de cada dia, e apenas nos últimos 20.000 mil anos iniciamos a caminhada do processo a que chamamos civilização: até à construção do primeiro motor a vapor, nas primeiras décadas do século XIX o homem deslocava-se à velocidade permitida pelo vento ou pelos músculos (quase  uma semana para ir de, diligência, de Lisboa ao Porto).

O ritmo das mudanças sociais e materiais, transmitidas oralmente de geração para geração, passou bruscamente milhares de anos (centenas de anos no Idade Média) para décadas, e às vezes menos, na actualidade. Na verdade, não chegamos a adaptar-nos à maior parte das mudanças que ocorrem em todos os domínios à nossa volta: simplesmente não podemos porque o nosso ritmo biológico não o permite.

Os conhecimentos que aprendemos aos 20 anos, encontram-se desactualiza-

dos quando chegamos aos 40  e só uma minoria consegue estar actualizada, profissional e culturalmente, quando chega aos 50 anos.

Nada na natureza, (de onde vimos) nenhuma espécie animal ou vegetal, evolui à velocidade alucinante  a que a sociedade moderna está a evoluir: é simplesmente contranatura e ninguém sabe para onde caminhamos. A ciência e o progresso entraram num processo de  aceleração exponencial que ninguém dirige nem controla, apesar de termos a ilusão que dominamos tudo o que descobrimos e que  podemos adaptar-nos a todas as descobertas e novas realidades.

A ideia de progresso é muito recente ( apenas 300 anos, mais ou menos) e corresponde ao desenvolvimento do pensamento laico, da ciência e da indústria e ao declínio das crenças tradicionais.

“...Os mitos do progresso serviram-nos bem – sobretudo para aqueles de nós que se sentam nas mesas mais abastadas – e podem continuar a servir.

“O progresso tem uma lógica interna que pode conduzir à margem da razão, à catástrofe. Um sedutor percurso de sucessos pode terminar numa armadilha.

Veja-se as armas, por exemplo.

“... andamos muito ocupados a libertar outras forças poderosas – cibernética, biotecnologia, nanotecnologia – que esperamos venham a ser boas ferramen-

tas, embora não possamos prever as suas consequências.” 1

É inerente à vida em sociedade a criação de  forças e processos que nenhum dos seus membros, individualmente ou em grupo, consegue controlar, e raramente nos damos conta desta realidade que condiciona a nossa existência.

De onde vimos? Quem somos? Para onde vamos? As três perguntas que atormentaram Gauguin, e certamente muitos outros homens e mulheres, continuam nos dias de hoje com respostas incompletas. Sabemos mais ou menos de onde vimos (a antropologia responde, com lacunas, à primeira pergunta); sabemos ainda muito pouco quem somos (a psicologia e a neurologia começaram há muito pouco tempo a dar algumas respostas); ignoramos, em absoluto, para onde vamos.

Tanto orgulho, tanta arrogância vã, tanta esperança ingénua, para não imaginarmos sequer o que seremos nos próximos cinquenta anos, ou seja daqui a duas ou três  gerações futuras!

Talvez porque vivemos milhões de anos a pensar como comer e sobreviver no dia seguinte (armazenar e ter reserva de comida só aconteceu muito recentemente), não temos qualquer treino e capacidade de previsão para, apenas, uma década ou duas.

 A actividade científica é hoje praticamente, financiada e manipulada, por grupos económicos e financeiros e pelas instituições militares, o que condiciona (censura) a opinião de muitos cientistas: ciência e tecnologia que garantam o retorno do investimento ou que garantam a continuidade da supremacia militar, daí a dificuldade de investigar e reflectir fora do «cientificamente correcto».

Por outro lado são raros os políticos e governantes que se preocupam com as conclusões da ciência que põem em casa o paradigma (errado) do progresso material ilimitado. Só muito tardiamente as preocupações com a protecção do ambiente, o desenvolvimento sustentado, etc. entraram na agenda política e, ainda assim, pelo quintal.

As políticas de protecção do ambiente, só superficialmente limitam ou condicionam as práticas poluidoras e o seu núcleo duro, do consumo da energia, está num impasse.

O ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, é um dos poucos políticos que luta pela defesa do ambiente e nos últimos dez anos tem realizado uma campanha para sensibilização da opinião pública do seu país. Na sequência dessa campanha publicou recentemente o livro “A verdade inconveniente” e promoveu a realização de um filme com o mesmo título, que está em exibição em Lisboa.

Trata-se de um alerta fundamentado acerca do aquecimento do clima e das graves consequências que daí resultam: não sua perspectiva não dispomos de 100  ou 150 anos para inverter a marcha para o abismo, mas apenas de uma década ou duas.



[1] WRIGTH,RONALD, Breve História do Progresso, Dom Quixote 2004



publicado por pimentaeouro às 17:43
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 2 de Junho de 2013
Mudou

 

 

 

O clima mudou, adeus quatro estações. Uma mudança no clima obrigou-nos a sairmos das arvores e a caminhar só com duas patas na savana. Depois os glaciares, durante milhares de anos, tornaram-nos a sobrevivência num inferno. Na Idade média alterações do clima provocaram fomes e mortandades.

O CO2  que já produzimos (mais o que iremos continuar a produzir até ao último barril debaixo da terra) já mudou o clima e mais uma vez não deixaremos de pagar a factura: já começamos a pagar.

O passado inverno foi para esquecer, não chegamos a perceber se houve primavera e o vento ao final da parte não nos larga.

O próximo verão como será?


tags:

publicado por pimentaeouro às 13:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Não há jantar para todos

Relógio avariado

Ciclo do carbono

Ciclo do carbono

Alterações do clima

Cá se fazem, cá se pagam

Vamos ficar torrados

Pirómanos globais

Clima

O calor mata

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
Nas encruzilhadas da vida não dá como voltar atrás...
Não me parece que seja assim, até porque há cães e...
blogs SAPO
RSS