Conhece-te a ti mesmo... se puderes.

Segunda-feira, 10 de Julho de 2017
Somos menos e mais velhos

 Resultado de imagem para bebês recém nascidos

 

Portugal registou no ano passado a segunda taxa de natalidade mais baixa entre os 28 Estados-membros da União Europeia (UE) e foi um dos países cuja população diminuiu, de acordo com as primeiras estimativas sobre população hoje publicadas pelo Eurostat.



publicado por pimentaeouro às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 22 de Maio de 2017
Portugal envelhece

Em 15 anos fecharam quase 5.000 escolas primárias. Os concelhos mais afectados são os do interior e este declinio não vai parar, a previsão do número de alunos para o 1º.ano é de 90.167 em 2.017 e de 73.607 em 2.020.

Um país sem jovens não tem futuro.

 



publicado por pimentaeouro às 22:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2014
E A TERRA CONTINUARÁ A GIRAR

 

 

Segundo um relatório da ONU a Humanidade terá mais velhos do que jovens. Será um planeta como nunca imaginámos.

Não se trata do envelhecimento da população dos países mais «desenvolvidos», trata-se globalmente, de toda a Humanidade e não há tecnologia de ponta nem realidade virtual que nos valhas: seremos uma espécie envelhecida com futuro duvidoso.

Comecei logo a rezar para que os cálculos da ONU (Divisão de População das Nações Unidas) estejam errados, talvez feitos por amadores.

Sabemos que já se extinguiram milhares e milhares de espécies e que não temos nenhum seguro de sobrevivência: a natureza não dá bónus.

Claro, que existe sempre a hipótese de auto extinguirmo-nos antes daquela data. «Combustível» não falta.

Talvez nem valha a pena estarmos preocupados com o CO2 e as alterações do clima. O melhor é aproveitarmos enquanto durar.  



publicado por pimentaeouro às 11:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2014
Mais velhos

 

 ( Jornal Público, 1 de Janeiro )

 

 No período de cerca de 30 anos, menos de uma geração, Portugal passou de 840 mil idosos  com mais de 65 anos para 2.020 mil idosos e esta cavalgada parece que não está para ternimar tão cedo. Desde 2.008 que a emigração de jovens recomeçou e nos últimos dois anos com mais de 100 mil emigrantes, cerca de 2% da população só nestes dois anos, o que faz subir a percentagem dos idosos sobre a população total.

Parece que nos próximos trinta anos vamos continuar a envelhecer e a ficaar mais pobres também.

 

 

 

 

 

 

 



publicado por pimentaeouro às 15:02
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Quarta-feira, 4 de Dezembro de 2013
Portugal menor

 

Portugal é um país de emigração multisecular: a pátria desde cedo deixou de poder sustentar os seus filhos (nem havia trigo que chegasse) e também desde cedo foi injusta na repartição do pão: abastança e desperdício para um, fome para a maioria.

A costa Ocidental de África e a India começaram por ser a válvula de escape mas a grande fuga foi para a Brasil e outros países das Américas e para os Açores e a Madeira.

Algumas vezes foi colonização incentivada pelo poder mas o grosso foi emigração, fuga.

Cá dentro, a razia provocada pela emigração foi mal compensada pela importação de escravos negros para trabalhar o campo e outros serviços menores. Com esta troca desigual as técnicas de produção agrícola e artesanais estagnaram. Assim chegamos ao reino cadaveroso dos séculos XVII e XVIII

No final do século XIX a emigração para o Brasil era a válvula de escape do Portugal pobre e no Portugal salazarista, principalmente na década de sessenta, a emigração voltou em força. Fugia-se a salto através de redes de passadores, com toda a bagagem numa mala de cartão. Chegaram a emigrar mais de 100 mil portugueses por ano, para a Europa, principalmente para França.

Fingindo que não sabia da fuga em massa, Salazar consegui diminuir as tensões sociais e manter a paz cinzenta do regime.

Esfumados os Fundos de Coesão da CEE e passadas duas décadas de delírio despesista, com a dívida pública a galopar, os credores apresentaram a factura mas simplesmente não havia dinheiro para pagar: bancarrota à vista.

Em 2.011 a troika aterrou na Portela e começou o calvário da austeridade, eufemismo para designar empobrecimento,  desemprego e falência de empresas e os portugueses começaram novamente a emigrar.

Nos anos de 2.011 e 2.012 a emigração voltou a atingir os níveis da década de 60. Agora não vou com mala de cartão, a maior parte leva um diploma de curso universitário na mala de viagem. 

Mas a emigração de agora, embora com  níveis inferiores, já tinha começado em 2.008 e 2.009. Os portugueses jovens já tinham percebido que não tinham futuro na sua pátria, não foi preciso Passos Coelho dizer para se irem embora.

Enquanto a emigração não cessou de aumentar, a imigração já tinha começado a diminuir. Saem mais pessoas do que entram, a população diminui e quando (?) a economia recuperar haverá escassez de mão de obra qualificada.

A demografia deu o golpe final: os casais portugueses tem só um filho, dois está fora de causa, as expectativas de futuro são negativas, mas para que exista renovação das gerações é necessário que cada mulher tenha  2,1 filhos.

Por outro lado, a geração grisalha veio para ficar, mesmo que a médio prazo o seu crescimento seja menor, Portugal será um país de velhos. Não há volta a dar nem políticas de apoio à família que possam alterar este panorama.

A médio prazo seremos menos e mais velhos. Depois do médio prazo ninguém sabe o que será Portugal, talvez um Portugal menor.

 

 



publicado por pimentaeouro às 21:52
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Maio de 2012
Ciência Hoje

Planeta pressionado por excesso de consumo e população

Novo relatório da Royal Society de Londres foi apresentado ontem

2012-04-27

 

África é o maior desafio: a população aumentará 2 mil milhões de habitantes durante este século, diz Ekliya Zulu
África é o maior desafio: a população aumentará 2 mil milhões de habitantes durante este século, diz Ekliya Zulu

Os altos níveis de consumo dos países industrializados e o excesso de população em países em desenvolvimento são dois dos principais problemas referidos no relatório «People and the Planet»,publicado ontem pela Royal Society de Londres.

 

Dirigida pelo biólogo John Sulston (Nobel de Fisiologia/Medicina em 2002), uma equipa de 22 cientistas estudou a ligação entre a população global e o consumo e as suas implicações num planeta com recursos limitados.

Paul Nurse, presidente da Royal Society (e também Nobel de Fisiologia/Medicina em 2001), afirma, no prefácio do relatório final, que as “rápidas e globais alterações na população humana juntamente com nível sem precedentes de consumo promoveram mudanças profundas na saúde humana, no bem-estar e no meio ambiente”.

A combinação desses factores tem “consequências a longo prazo para o planeta”, que é limitado nos seus recursos. Esse impacto, que está a sentir-se nas gerações actuais e vai continuar a sentir-se nas futuras, levanta muitas preocupações “e desafia-nos a considerar a relação entre população e planeta”.

Durante quase dois anos, os investigadores estudaram a fundo as actuais tendências sociais, económicas e ambientais para tentar perceber que futuro espera a humanidade nos próximos 100 anos.

O relatório alerta para a pressão de crescimento da população que ano passado atingiu os sete mil milhões de habitantes. Em meados deste século, haverá mais 2300 milhões novos habitantes (o actual número de habitantes da China e da Índia juntas).

 

Relatório foi publicado ontem
Relatório foi publicado ontem
É “vital que os países em desenvolvimento controlem a sua população, sendo também necessária uma melhor distribuição de riqueza”. O maior desafio vai ser África, “onde a população aumentará 2 mil milhões durante o século XXI”, diz Ekliya Zulu.

 

Para isso é necessário promover a saúde reprodutiva e programas voluntários de planeamento familiar. Quando o crescimento populacional desacelera, “as mulheres ganham mais poder e isso significa mais dinheiro para os que menos têm e mais oportunidades de educação”.

Para que a vida no planeta seja sustentável será também necessário que “os países desenvolvidos moderem o consumo e tomem medidas drásticas para diminuir as emissões de CO2”, diz o investigador Jules Pretty. É também necessário “tirar da pobreza 1300 milhões de pessoas que vivem com menos de 1,25 dólares por dia”.

Outro ponto essencial do relatório afirma que “população e meio ambiente não podem ser vistos como assuntos separados. As alterações demográficas e tudo o que estas envolvem devem ser alvo de discussão económica e ambiental”. Os investigadores sugerem ainda que desenvolvam novos sistemas sócio-económicos.

«Fornecer orientações aos decisores»

Este relatório, diz Paul Nurse, não é uma declaração definitiva sobre estes temas, mas uma visão geral dos impactos da população humana e do consumo no planeta. Levanta questões sobre a melhor forma de aproveitar as oportunidades que as mudanças na população podem trazer e como evitar os impactos mais negativos.

O objectivo do estudo é fornecer orientações para os decisores e informar o público interessado com base numa avaliação pragmática com os melhores dados disponíveis. O âmbito do estudo foi global e reconhece explicitamente variações regionais na dinâmica populacional e na desigualdade dos padrões de consumo à volta do mundo.



publicado por pimentaeouro às 19:45
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Somos menos e mais velhos

Portugal envelhece

E A TERRA CONTINUARÁ A GI...

Mais velhos

Portugal menor

Ciência Hoje

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

aves

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Nada é em vão

Uma criança

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
Interessante, gosto muito de história,
Interessante, gostei de ler o seu post.
A verdade é que este desgoverno dos últimos anos t...
Sem palavras... deixo-lhe um abraço de força...
Não há palavras que aliviem a sua angustia.
Lamento tanto... :(((
Pois, eu é mais para tomar banho, não me dou muito...
Água para mim só em copos...
Só foi pena não me ter deixado com capacidade de r...
Nem sempre é possível.
blogs SAPO
RSS