Conhece-te a ti mesmo... se puderes.

Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017
Eternidade

 Resultado de imagem para galaxias

 

Quanto pensamos na nossa eternidade – para a frente não para trás, meia eternidade – não pensamos em qualquer noção de tempo: mil anos, um milhão de anos o que são?

A eternidade tem vida muito curta no planeta Terra: somos uma conjugação  de átomos que se desligam em tempo breve e partem para o espaço sideral A partir de hoje, o nosso planeta, não durará mais de 4 mil milhões de anos. Ficará sem vida como a Lua, todas as formas de vida estarão extintas, mesmo as mais elementares e resistentes bactérias, apenas silêncio e frio, as cores já terão desaparecido todas com excepção da cor das rochas envelhecidas, mas mesmo que isto não acontece-se, um pouco à frente, com a impulsão do Sol tudo será engolido num braseiro.

Todos os nossos sonhos, ilusões, desejos, amor, ódio, conflitos, guerras, disputas mesquinhas ou grandes realizações já não existirão há muito no vazio do espaço. Tudo o que vivemos foi na maior solidão porque não existem testemunhas nas estrelas.

É desolador, triste, mas é assim. 



publicado por pimentaeouro às 22:04
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2016
(des) Encarnação

 

Somos constituídos por milhões de átomos, da cabeça aos pés. Quando as nossa funções vitais cessam (decomposição) os átomos migram para outras aventuras pela nossa galáxia.

O nosso relógio biológico dá-nos menos de uma centena de anos para vivermos, mas os átomos que nos compõem são eternos: apenas fazem uma permanência curtissima dentro de nós.

A eternidade não é para nós.

Não adianta preocupar-nos com o que acontece depois da morte: os átomos já migraram. Não existe mistério da vida nem mistério da morte, somos nós que os inventámos.



publicado por pimentaeouro às 12:05
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 16 de Outubro de 2016
Eternidade

 

 

Para que a angustia do nada não nos conduza ao desespero, inventamos fugas: o culto dos mortos, a vida álem tumulo, a eternidade da alma, mundos espirituais paralelos, etc.: tudo provocado pelo medo do vazio, do nada, e para complicar tudo isto ainda aspiramos à perfeição, outra fantasia da nossa imaginação.

A efemeridade e a fragilidade da nossa condição gera o oposto, múltiplas formas de aspirar à eternidade, uma confusão de mitos.

Somos apenas o resultado de um encontro fortuito de átomos, que com a morte regressam à poeira sideral das estrelas para outras combinações entre si. Nem tudo está perdido, mesmo efémeros acrescentamos, temporariamente, ao universo elementos que não existiam antes de nós. Fazemos construções colectivas, as sociedades e suas civilizações, que podem durar alguns milhares de anos antes de sucumbirem e desaparecerem para sempre  e desapareceram tantas, é o que fica da nossa passagem colectiva pela Terra.

Remetidos para um beco sem saída, podemos criar um sentido para a vida sem sentido: deixar aos que nos sucedem algo mais do que recebemos, daqueles que nos precederam.

Poderá ser altruísmo  mas melhorar a condição efemera da Humanidade, dar mais do que recebemos é igualmente a essência da solidariedade e do amor.

Sou um D. Quixote errante mas foi este o sentido das minhas lutas contra os moinhos de vento que me derrotaram:  foi pouco mas foi o meu contributo possível


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 11:58
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Segunda-feira, 30 de Junho de 2014
Eternidade

 

 

 

 

Quanto pensamos na nossa eternidade – para a frente não para trás, meia eternidade – não pensamos em qualquer noção de tempo: mil anos, um milhão de anos o que são?

A eternidade tem vida muito curta no planeta Terra: somos uma conjugação única de átomos que se desligam em tempo breve e desaparecemos para sempre. A partir de hoje, o nosso planeta, não durará mais de 4 mil milhões de anos. Ficará sem vida como a Lua, todas as formas de vida estarão extintas, mesmo as mais elementares e resistentes bactérias, apenas silêncio e frio, as cores já terão desaparecido todas com excepção da cor das rochas envelhecidas, mas mesmo que isto não acontece-se, um pouco à frente, com a impulsão do Sol tudo será engolido num braseiro.

Todos os nossos sonhos, ilusões, desejos, amor, ódio, conflitos, guerras, disputas mesquinhas ou grandes realizações já não existirão há muito no vazio do espaço. Tudo o que vivemos foi na maior solidão porque não existem testemunhas nas estrelas.

É desolador, triste, mas é assim. 



publicado por pimentaeouro às 21:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012
Eternidade

 

 

 

Para que a angustia do nada não nos conduza ao desespero, inventamos fugas: o culto dos mortos, a vida álem tumulo, a eternidade da alma, mundos espirituais paralelos, etc.: tudo provocado pelo medo do vazio, do nada, e para complicar tudo isto ainda aspiramos à perfeição, outra fantasia da nossa imaginação.

A efemeridade e a fragilidade da nossa condição gera o oposto, múltiplas formas de aspirar à eternidade, uma confusão de mitos.

Somos apenas o resultado de um encontro fortuito de átomos, que com a morte regressam à poeira sideral das estrelas para outras combinações entre si. Nem tudo está perdido, mesmo efémeros acrescentamos, temporariamente, ao universo elementos que não existiam antes de nós. Fazemos construções colectivas, as sociedades e suas civilizações, que podem durar alguns milhares de anos antes de sucumbirem e desaparecerem para sempre, é o que fica da nossa passagem colectiva pela Terra.

Remetidos para um beco sem saída, podemos criar um sentido para a vida sem sentido: deixar aos que nos sucedem algo mais do que recebemos, daqueles que nos precederam.

Poderá ser altruísmo  mas melhorar a condição efemera da Humanidade, dar mais do que recebemos é igualmente a essência da solidariedade e do amor.

Sou um D. Quixote errante mas foi este o sentido das minhas lutas contra os moinhos de vento que me derrotaram:  foi pouco mas foi o meu contributo possível.

 


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 23:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Eternidade

(des) Encarnação

Eternidade

Eternidade

Eternidade

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

É xenofobia sim.

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
E é cada uma que mete medo ao Susto!!!
Sabia da estratégia do contar das histórias, mas n...
Que seja um bom dia.
Pertence à literatura medieval alemã. Frades liber...
Que maravilha para começar o dia!!!
Teve a sorte de ter uma boa professora e declamado...
Gosto muito deste poema.Tive a sorte de no 10º e n...
Já os vi na televisão e em sonhos :)
blogs SAPO
RSS