Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2017
Velhice

 

A velhice também é a idade do balanço, do acerto de contas com a vida e com o nosso passado. Tanto erro, tanta insensatez, tanta inutilidade. Os que se gabam de voltar a fazer tudo de novo sem nada emendar, são petulantes ou mentem tentando iludir-se.

Por mim, gostava de saber se acrescentei alguma parcela de felicidade às pessoas – poucas - que amei e que me amaram e se, colectivamente, vou deixar algo mais do que recebi: tenho a veleidade de pensar que sim, mesmo sabendo que ninguém é bom juiz em causa própria.

Ainda tenho uma coisa por realizar. Uma peregrinação, apenas dois ou três dias, a Torres Novas (sem bordão nem merenda), a terra onde vivi cerca de seis anos da minha mocidade, onde tive bons amigos e amores infelizes que deixaram uma marca de tristeza na minha vida .

Quero percorrer sozinho as velhas ruas, principalmente à noite, do casco velho da cidade (o que ainda restar delas), rever casas, as pessoas já lá não estão certamente,  ir até ao jardim que ladeava o Almonda, (ainda existirão chorões debruçados sobre o rio?) límpido então mas hoje poluído ,  subir até ao Castelo e contemplar a cidade e, com sorte, ainda encontrar vivo um ou outro  amigo daqueles  anos distantes. Antes de partir, quero reavivar essa parcela da minha vida, capricho de velho.


tags: ,

publicado por pimentaeouro às 20:19
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

Mundo virtual

Auto retrato... colectivo

Declaração Universal dos ...

Pesadelo

Top

Alucinado

Desastre nacional

Pasion

A mão invisível

Vida tão estranha

O Mistério da rua Pascoal...

Há sempre uma saída

Aldrabão

Confusão

Trova do Vento que passa

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

comunicação social

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensaio

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

férias

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

De onde venho ?

Um fantasma

Arte de furtar

Deus existe? #2

Para onde vou?

Sou um San

O Século xx Português

Pater Famílias

Avesso dos Lusíadas #2

links
últ. comentários
O homem é imprevisível, restam-nos hipóteses.Os me...
Está visto que não há milagres....
Parece-me que os avanços da medicina prolongam-nos...
O que estará à nossa espera, com ele à frente dos ...
Eu, um metro e sessenta e cinco (posso chegar ao m...
E uma conquista civilizacional do Ocidente e como ...
Pergunto-me frequentemente se a DUDH já foi esquec...
O tema é controverso. Salazar foi ditador mas não ...
Não me lembro se já o li, vou procurá-lo e aumenta...
Um pesadelo mesmo!
Pode acontecer, não é ficção. Nas costas da praia ...
A tristeza é a companhia mais assidua na velhice.
Muito intenso, um bom texto, mas triste...
15 metros?! Quando existirem marés vivas, lá se va...
blogs SAPO
RSS