Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quarta-feira, 6 de Março de 2013
Segunda Guerra Mundial #1

O pós Segunda Guerra Mundial é um tema pouco abordado para além de referência ao Plano Marshall. A guerra foi arrasadora, a reconstrução foi o inferno para as populações que sobreviveram. Voltarei a este tema.


1945: Mulheres começam a reconstruir Berlim após a guerra.

Em 1º de junho de 1945, as mulheres de Berlim receberam a ordem para remover entulhos e selecionar material para a reconstrução. Graças a essas "heroínas", foram estabelecidos os fundamentos da Alemanha do pós-guerra.

Das ruínas, o material para novos prédios

Trata-se de uma cena típica após a Segunda Guerra Mundial na Alemanha destruída: longas filas de mulheres sobre montanhas de escombros. Munidas de baldes, elas juntavam e limpavam pedras e tijolos nas cidades arrasadas pelos bombardeios.

Com lenço na cabeça, avental rasgado e sapatos puídos, essas mulheres tinham um ritmo de trabalho parecido com o de uma linha de montagem. Do alto dos montes de escombros, passavam os tijolos de mão em mão até chegarem embaixo, onde eram limpos e empilhados para serem reutilizados nas construções. Os homens estavam mortos, inválidos ou "desaparecidos", isto é, talvez só voltassem anos depois dos campos de prisioneiros.

Käthe Linke, por exemplo, trabalhava nessa atividade por 16 horas nos fins de semana. Durante a semana, cuidava dos filhos e cursava a universidade, uma exceção para a época. Os últimos bombardeios contra as cidades alemãs, na Segunda Guerra Mundial, foram arrasadores. Cerca de 40% dos edifícios foram destruídos nas 50 principais cidades do país. Na maioria delas, sobraram apenas de 10% a 20% dos centros urbanos.

 

Cidades quase totalmente destruídas

 

Os Aliados usaram bombas incendiárias, de fragmentação e de detonação retardada e o famigerado bombardeio "em tapete", que varreu cidades inteiras do mapa. Foi o que ocorreu em Dresden – a "Florença do Elba" – e em Munique, onde um único bombardeio destruiu 80% da cidade em 1943.

Além do desolador estado de destruição, o abastecimento nas cidades era precário. Muitas mulheres passavam horas nas filas do pão e da manteiga e, no fim, saíam de mãos vazias. Era uma luta diária pela sobrevivência.

As "mulheres dos escombros" (Trümmerfrauen, como eram chamadas em alemão) só dispunham de primitivas ferramentas de trabalho: baldes, tábuas e as próprias mãos. Catavam tudo que, de alguma forma, ainda pudesse ser útil. Empilhavam as pedras e tijolos nas ruas e arrancavam tábuas dos montes de ruínas.

Os momentos mais tristes ocorriam quando encontravam antigas lembranças das casas bombardeadas, como fotografias e roupas. Os poucos homens que haviam sobrevivido à guerra também apoiavam esse trabalho. Eles removiam pesadas barras de ferro dos escombros e transportavam os tijolos em caminhões. Mesmo naqueles tempos difíceis, todos alimentavam a esperança de dias melhores.

Käthe Linke lembra que essa esperança baseava-se, principalmente, na coesão e na camaradagem entre os sobreviventes da guerra. "Queríamos poder ir ao teatro de novo. E era bonito, também, descobrir que as mulheres começavam a conquistar sua autonomia", conta. Aos poucos, sua cidade foi reconstruída sobre a pedra fundamental lançada pelas mulheres, muitas das quais já foram esquecidas.

  • Autoria Gábor Halász (gh)




publicado por pimentaeouro às 22:56
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

...

Adriano

Não estamos sós

J 0023

Relogio do Apocalipse

anoma qualquer coisa

Delfos

Evolução ?

3.800 milhões de anos

Xerazade

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Anjo

Enamorados

Sonhar

Podem...

Voz da alma

Mentira

Escrever

À luz da lua

Meu amor

Dilemas

links
últ. comentários
Já receava que fosse essa a razão para ter deixado...
Caros bloguers,Encontrei este blog há dias por aca...
Já não era sem tempo!!!
E para quando um novo post por aqui?Tenho sentido ...
Gostei
Igualmente para si e sua família com muitas amend...
E hoje estou a passar por aqui para desejar uma Bo...
Por vezes mais vale consolidar o que já se tem em ...
Felizmente ou não, não estaremos cá para ver.
blogs SAPO
RSS