Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quarta-feira, 4 de Dezembro de 2013
Portugal menor

 

Portugal é um país de emigração multisecular: a pátria desde cedo deixou de poder sustentar os seus filhos (nem havia trigo que chegasse) e também desde cedo foi injusta na repartição do pão: abastança e desperdício para um, fome para a maioria.

A costa Ocidental de África e a India começaram por ser a válvula de escape mas a grande fuga foi para a Brasil e outros países das Américas e para os Açores e a Madeira.

Algumas vezes foi colonização incentivada pelo poder mas o grosso foi emigração, fuga.

Cá dentro, a razia provocada pela emigração foi mal compensada pela importação de escravos negros para trabalhar o campo e outros serviços menores. Com esta troca desigual as técnicas de produção agrícola e artesanais estagnaram. Assim chegamos ao reino cadaveroso dos séculos XVII e XVIII

No final do século XIX a emigração para o Brasil era a válvula de escape do Portugal pobre e no Portugal salazarista, principalmente na década de sessenta, a emigração voltou em força. Fugia-se a salto através de redes de passadores, com toda a bagagem numa mala de cartão. Chegaram a emigrar mais de 100 mil portugueses por ano, para a Europa, principalmente para França.

Fingindo que não sabia da fuga em massa, Salazar consegui diminuir as tensões sociais e manter a paz cinzenta do regime.

Esfumados os Fundos de Coesão da CEE e passadas duas décadas de delírio despesista, com a dívida pública a galopar, os credores apresentaram a factura mas simplesmente não havia dinheiro para pagar: bancarrota à vista.

Em 2.011 a troika aterrou na Portela e começou o calvário da austeridade, eufemismo para designar empobrecimento,  desemprego e falência de empresas e os portugueses começaram novamente a emigrar.

Nos anos de 2.011 e 2.012 a emigração voltou a atingir os níveis da década de 60. Agora não vou com mala de cartão, a maior parte leva um diploma de curso universitário na mala de viagem. 

Mas a emigração de agora, embora com  níveis inferiores, já tinha começado em 2.008 e 2.009. Os portugueses jovens já tinham percebido que não tinham futuro na sua pátria, não foi preciso Passos Coelho dizer para se irem embora.

Enquanto a emigração não cessou de aumentar, a imigração já tinha começado a diminuir. Saem mais pessoas do que entram, a população diminui e quando (?) a economia recuperar haverá escassez de mão de obra qualificada.

A demografia deu o golpe final: os casais portugueses tem só um filho, dois está fora de causa, as expectativas de futuro são negativas, mas para que exista renovação das gerações é necessário que cada mulher tenha  2,1 filhos.

Por outro lado, a geração grisalha veio para ficar, mesmo que a médio prazo o seu crescimento seja menor, Portugal será um país de velhos. Não há volta a dar nem políticas de apoio à família que possam alterar este panorama.

A médio prazo seremos menos e mais velhos. Depois do médio prazo ninguém sabe o que será Portugal, talvez um Portugal menor.

 

 



publicado por pimentaeouro às 21:52
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

...

Adriano

Não estamos sós

J 0023

Relogio do Apocalipse

anoma qualquer coisa

Delfos

Evolução ?

3.800 milhões de anos

Xerazade

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Anjo

Enamorados

Sonhar

Podem...

Voz da alma

Mentira

Escrever

À luz da lua

Meu amor

Dilemas

links
últ. comentários
Já receava que fosse essa a razão para ter deixado...
Caros bloguers,Encontrei este blog há dias por aca...
Já não era sem tempo!!!
E para quando um novo post por aqui?Tenho sentido ...
Gostei
Igualmente para si e sua família com muitas amend...
E hoje estou a passar por aqui para desejar uma Bo...
Por vezes mais vale consolidar o que já se tem em ...
Felizmente ou não, não estaremos cá para ver.
blogs SAPO
RSS