4 comentários:
De Fátima Soares a 5 de Agosto de 2012 às 18:00

Olá meu amigo, não pense!!! Não pense mesmo porque não irá acontecer. Desculpe não o visitar há uns dias mas não me esqueci de si nem pouco mais ou menos. E quando me disse que os "velhos" precisam de mimo, penso que velhos é tudo o que tem valor, história, é rico na sua essência porque tem sabedoria e originalidade e verdade e as pessoas jamais são velhas! Nunca o serão. Acumulam anos mas por cada um mais alguma coisa que nos enriquece, nos faz mais sábios e assim o vejo e mimo? Ui! Se eu gosto de dar mimos. Por isso contem com o meu mimo e companhia. Mesmo que seja assim de vez em quando passarei sempre aqui. As crianças e as pessoas com mais anos são as mais autênticas e de quem gosto mais acredite. Quem me dera um dia chegar à sua idade e mais, e não me creia jovem, mas de meia idade, por isso não há muito distância entre nós, só naquilo que tem para me valorizar e ensinar. Um beijinho meu amigo e força para encarar a consulta! Vai correr bem e ficará tudo normal vai ver. Dentro da normalidade que pode ser irá ficar bem e melhor. Virei aqui saber de si e como correu. Abraço com carinho boa semana. Obrigado pelas suas visitas e conselhos que me deixa. Creio que ainda teremos muito para conversar e partilhar coisas bonitas. E eu aprenderei um mundo de coisas que já sabe e eu terei imenso gosto em saber. A vida é feita desta cumplicidade, amizade e carinho. Conte com o meu.


De pimentaeouro a 7 de Agosto de 2012 às 07:15

Tento não pensar na consulta. Veremos. Tenho um currículo médico –  o único que possuo - de fazer inveja: incapacidade funcional de 80%, seis operações, cancro da próstata, etc., etc. Isto também é para esquecer.

Como gosta de dar mimos é uma mulher rica, possui uma riqueza de valor incalculável: adivinha-se no que escreve que é uma mulher muito sensível (não é elogio, também é inteligente).

Não sei como agradecer-lhe o carinho e simpatia que me tem dispensado: aos 78 anos é uma medalha de ouro.

Tive uma vida meio nómada de lugares e pessoas, amei pouco e amei mal, erro imperdoável. Muito resumidamente, encontrará no post Quem sou?  uma descrição parcial das minhas andanças.

Se pudesse, alteraria alguns capítulos da minha história de vida, mas isso não é possível, ninguém vive duas vezes. Para evitar equívocos, acrescento que fui um homem normal que teve uma vida algo acidentada.

Não vivi melhor porque não pude e não soube: não estou azedo e, hoje, olho para os meus erros com benevolência.

Sobre a velhice, como existe a partir dos anos 90 do século passado, tudo é novo e a sociedade não está preparada para lidar com tantos velhos, nem para pagar reformas que aumentam a cada ano que passa.

Na velhice, em geral, existem três problemas: a pobreza, a saúde e a solidão. Os velhos, principalmente os homens, tende a isolar-se. Não vivo obcecado pela velhice, tento percebe-la e estar atento aos sinais da senilidade, que chegam mais tarde ou mais cedo.

Existem exemplos de pessoas que se mantém saudáveis até muito tarde, mas são uma excepção.

Um grande abraço.



De golimix a 7 de Agosto de 2012 às 20:20
Fiquei desolada com este seu artigo.
Considero a visão um dos sentidos mais importantes e viver sem ele, apesar de possível, para quem já viu e sabe o prazer que isso dá deixar de poder usufruir dele é qualquer coisa que me faz apertar o coração.
Espero que a sua consulta corra bem.
A saúde é realmente o bem mais precioso que temos, pena que há pessoas que não percebem isso e não lhe dão o devido valor.
Um grande beijinho

Não o tenho visitado porque tenho estado ausente.
LMaria


De pimentaeouro a 7 de Agosto de 2012 às 23:46
Só faltam 35 horas...
Se fosse crente rezava.
Beijo


Comentar post