Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
A não perder

 Resultado de imagem para literatura o leopardo

 

O Leopardo é um clássico da literatura italiana da primeira metade do século XX subordinado a um tema que se tornou particularmente caro aos habitantes do continente europeu, em virtude das convulsões sociais e políticas que acompanharam a transição do século XIX para o século XX, sobretudo com a desagregação de impérios como o dos Habsburgos ou dos Bourbons: a circulação dasélites. O caso italiano é disso um expoente máximo por ser constituído, na altura, por um aglomerado de pequenos principados ou mini-repúblicas, isto é uma península dividida em cidades-estado, disputando o poder entre si e disputadas por potências imperiais vizinhas.

O trabalho de unificação é levado a cabo por Giuseppe Garibaldi, já na última metade do século XIX, culminando com a ascensão ao trono de Vítor Emanuel de Sabóia. Isto implicou alguns acidentes tectónicos nas estruturas da sociedade italiana, facto que Lampedusa explora (e muito bem) neste belíssimo romance que evoca a nostalgia de um mundo em vias de desaparecer.

Estamos na Sicília, em meados do século XIX, quando o revolucionário Giuseppe Garibaldi desembarca em Marsala chefiando “os descamisados”, ou simplesmente, “os camisas vermelhas”. O objectivo é a reunificação da Península Itálica, a expulsão dos Bourbons - cuja pretensão de hegemonia, partindo de Nápoles de onde reina a dinastia Bourbon, irrita de sobremaneira os italianos – e sua substituição pela dinastia rival de Piemonte, apoiando Vítor Emanuel da casa de Sabóia.

Assumindo como seus os ideais da Revolução Francesa – Liberdade, Igualdade e Fraternidade –, as tropas de Garibaldi, pretendem o estabelecimento de uma nova ordem social ao defender a igualdade de oportunidades como o principal objectivo da revolução. Recebem, por isso, o apoio directo de uma classe em franca ascensão: uma burguesia endinheirada que lucra em progressão geométrica com o endividamento galopante de uma nobreza dissipadora e cada vez mais passiva.


tags:

publicado por pimentaeouro às 21:50
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De fashion a 12 de Dezembro de 2016 às 09:59
Muito bom, este livro. Gostei muito de o ler.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

...

Adriano

Não estamos sós

J 0023

Relogio do Apocalipse

anoma qualquer coisa

Delfos

Evolução ?

3.800 milhões de anos

Xerazade

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Anjo

Enamorados

Sonhar

Podem...

Voz da alma

Mentira

Escrever

À luz da lua

Meu amor

Dilemas

links
últ. comentários
Já receava que fosse essa a razão para ter deixado...
Caros bloguers,Encontrei este blog há dias por aca...
Já não era sem tempo!!!
E para quando um novo post por aqui?Tenho sentido ...
Gostei
Igualmente para si e sua família com muitas amend...
E hoje estou a passar por aqui para desejar uma Bo...
Por vezes mais vale consolidar o que já se tem em ...
Felizmente ou não, não estaremos cá para ver.
blogs SAPO
RSS