Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Quinta-feira, 13 de Março de 2014
Ilha de Pascoa

HISTÓRIA: Ilha de Páscoa - Um exemplo prático dos riscos de dispensar uma Visão de futuro!

O nosso fascínio pela civilização, que habitou a Ilha de Páscoa e aí construiu os estranhos moais, não nos deve impedir de colhermos as lições para interpretarmos os desafios que, nós próprios, enquanto portugueses do século XXI, estamos a enfrentar.
O documentário da National Geographic que, em 2011, cuidou de abordar o mundo subterrâneo da Ilha, confirma o que já se sabia há algum tempo: colonizada por povos provenientes da Polinésia, a Ilha assentava em três vulcões extintos, que haviam propiciado um verdadeiro paraíso natural com palmeiras gigantes a sobressaírem de luxuriantes florestas, com aves aos milhões e água com fartura.
Em poucas décadas os poucos habitantes iniciais multiplicaram-se até atingirem os vinte mil habitantes divididos em diversas tribos, que rivalizavam entre si quanto aos moais mais impressionantes com que, igualmente, contavam homenagear os espíritos dos seus antepassados.
Só que, para além dos ratos de que se tinham feito, involuntariamente acompanhar, e que comiam as sementes das potenciais árvores, que deveriam manter a riqueza florestal, os ilhéus dizimaram todos os troncos disponíveis para movimentarem as toneladas de pedras esculpidas desde a pedreira até aos locais da sua definitiva colocação.
Quando, em 1722, os holandeses aportaram ali pela primeira vez, encontraram uma população reduzida e esfomeada, sem recursos agrícolas e sem forma de construir os barcos com que poderia ter-se abastecido de peixe nas águas mais profundas em torno da ilha.
Daí que não estivessem esquecidas algumas décadas tenebrosas em que o caos reinara e se chegara a praticar o canibalismo. Tudo evidências recolhidas nas diversas expedições arqueológicas, que vêm esclarecendo as circunstâncias de um verdadeiro apocalipse localizado.
Mal sabiam os infelizes sobreviventes da decadência inexorável da sua civilização, que o pior ainda não sucedera: quer pelas armas de fogo, quer pela escravatura a que foram sujeitos na América Latina, quer ainda pelas doenças para que não estavam protegidos (sífilis, varíola), deles não restavam mais do que uma centena de sobreviventes em meados do século XX.
Agora que são grandes as certezas sobre as circunstâncias desse desastre civilizacional, é fácil concluir que ele se deveu à incapacidade em pensar distanciadamente no futuro, planeando com cautelas redobradas a forma como se deveriam utilizar os recursos disponíveis. Faltou uma liderança unificadora de todos os habitantes da ilha - que preferiram rivalizar em diversas etnias! - e a mobilização para um desenvolvimento sustentável. O papel da religião comprovou-se ser extremamente nefasto ao requerer esforços humanos e naturais, que superavam em muito as capacidades da ilha.
Faltou, pois, a Visão de futuro, de que estamos tão carecidos a nível de governantes. Se eles não promovem a construção de moais, não deixam de consumir recursos exagerados com os deuses do seu deslumbramento: os credores, a troika, as agências de rating e os mercados, para quem se consomem recursos de curto prazo. Recursos que tanta falta nos farão daqui a pouco, quando novas lideranças políticas promoverão a redenção destes dois anos e meio de entrega a interesses estrangeiros das joias da coroa ainda remanescentes de outras anteriores rendições ao presente imediato.



publicado por pimentaeouro às 13:14
link do post | comentar | favorito (1)

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

...

Adriano

Não estamos sós

J 0023

Relogio do Apocalipse

anoma qualquer coisa

Delfos

Evolução ?

3.800 milhões de anos

Xerazade

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Anjo

Enamorados

Sonhar

Podem...

Voz da alma

Mentira

Escrever

À luz da lua

Meu amor

Dilemas

links
últ. comentários
Já receava que fosse essa a razão para ter deixado...
Caros bloguers,Encontrei este blog há dias por aca...
Já não era sem tempo!!!
E para quando um novo post por aqui?Tenho sentido ...
Gostei
Igualmente para si e sua família com muitas amend...
E hoje estou a passar por aqui para desejar uma Bo...
Por vezes mais vale consolidar o que já se tem em ...
Felizmente ou não, não estaremos cá para ver.
blogs SAPO
RSS