4 comentários:
De BataeBatom a 7 de Novembro de 2015 às 21:30
Coragem! Na área da psiquiatria, é mais complicado acertar nas doses de fármacos, pois cada doente pode reagir de forma muito diferente... Espero que em breve a medicação surta efeito e que possa voltar a sentir que tem a seu lado a mulher que sempre conheceu! Por enquanto, apesar de pensar que é impotente, o seu apoio é certamente muito importante para ela, mesmo que não pareça. As melhoras!


De pimentaeouro a 9 de Novembro de 2015 às 23:01
O caso da minha mulher é complicado, sofre há nove anos de neuropatia periférica e há quatro anos de dor crónica.
A dor crónica prolongada provoca lesões no cérebro e é provavelmente a origem das perturbações.
Obrigado pelas palavras de conforto.


De Fernando Lopes a 9 de Novembro de 2015 às 19:46
Não consigo sequer imaginar o que ambos estarão a sofrer. Deste lado da pantalha pouco mais me resta que enviar-vos um enorme abraço. O carinho não cura mas mitiga.


De pimentaeouro a 11 de Novembro de 2015 às 17:18
Obrigado pelas palavras de conforto. Ninguém está preparado para assistir a uma doença que destrói progressivamente à razão de uma pessoa, que a transforma num ser estranho e ausente. A minha mulher
também sofre com a doença.


Comentar post