Conhece-te a ti mesmo... se puderes.
Domingo, 15 de Outubro de 2017
Ontem aqui tão perto

Imagem relacionada

 

Nunca tive a nostalgia do campo. O meu avô materno era um pequeno (minús­culo) proprietário vinhateiro do "bair­ro" ribatejano, que economicamente se emoldurava com perfeição no Portugal camponês idealizado pelo salazarismo. Ou seja, tinha uma vida penosa, a osci­lar entre a austeridade e a penúria, num permanente sobressalto meteorológico, balizada pelo profundo horror à mudan­ça e uma suspeição contumaz a tudo o que proviesse de fora do seu afunilado horizonte visual.

No campo, em vez de sanitas havia o espectáculo inolvidável de um tampo aberto sobre a aromática fossa num cubí­culo ao fundo do quintal. Não havia água canalizada mas mulheres todo o dia acar­tando bilhas de água ladeira acima, da fonte até às casas. Não havia fogões mas fogareiros de carvão ou petróleo. Elec­tricidade já havia em casa de meus avós, duas ou três lâmpadas de baixa volta­gem, acendidas com parcimónia porque estoiravam com as frequentes quebras de tensão - um candeeiro a petróleo havia de estar sempre ao alcance da mão. Cães e burros superavam demografica­mente os seres humanos. Esta existên­cia vernacular, digna de Aquilino, não ocorria nuns brejos atrás do Sol posto nem num tempo antediluviano, mas eram o quotidiano até meados da déca­da de 1970 numa aldeia a 50 quilóme­tros da capital.

 

P. S.

Já não me lembro que é o autor deste texto.


tags:

publicado por pimentaeouro às 21:55
link do post | comentar | favorito (1)

mais sobre mim
pesquisar
 
posts recentes

...

Adriano

Não estamos sós

J 0023

Relogio do Apocalipse

anoma qualquer coisa

Delfos

Evolução ?

3.800 milhões de anos

Xerazade

arquivos
tags

???

ambição

amizade

amor

animais

antropologia

armas

arquitectura

arte

arte biografias

astronomia

ballet

biografias

biologia

blogues

café curto

carttons

ciência

cinema

civilização

clima

corrupção

criminosos

crise financeira

demagogia

demência

demografia

descobrimentos

desemprego

destino

diversos

doenças

dor

economia

eleiçoes

ensino

escravatura

escultura

estado

estupidez

eternidade

ética

eu

eutanásia

evolução

família

filosofia

futebol

genocídio

governo

greves

guerra

história

incendios florestais

inquisição

internacional

justiça

literatura

livros

memória

miséria

mitologia

morte

mulher

mulheres célebres

musica

natureza

natureza humana

paisagens

paleontologia

partidos políticos

patologia ideológica

pátria

pintura

planeta terra

pobreza

poesia

politica

regime político

religião

saudade

saúde

segurança social

sentimentos

sexo

sindicatos

sociedade

sofrimento

sonhos

tecnologia

terrorismo

terrorismo de estado

testamento vital

tristeza

união europeia

universo

velhice

vida

violência

xadrez

todas as tags

favoritos

Anjo

Enamorados

Sonhar

Podem...

Voz da alma

Mentira

Escrever

À luz da lua

Meu amor

Dilemas

links
últ. comentários
Já receava que fosse essa a razão para ter deixado...
Caros bloguers,Encontrei este blog há dias por aca...
Já não era sem tempo!!!
E para quando um novo post por aqui?Tenho sentido ...
Gostei
Igualmente para si e sua família com muitas amend...
E hoje estou a passar por aqui para desejar uma Bo...
Por vezes mais vale consolidar o que já se tem em ...
Felizmente ou não, não estaremos cá para ver.
blogs SAPO
RSS